Dia de forte oscilação nos mercados

Enquanto os investidores aguardam por novas pesquisas de intenção de voto, que devem mostrar a reação dos eleitores ao debate que será realizado com os presidenciáveis na TV Globo na quinta-feira, os mercados reagem com forte oscilação. Também há muita preocupação em relação à concentração de vencimentos de dívida cambial - privada e pública - até o final do ano, o que deve trazer mais pressão para as taxas de câmbio. Hoje o dólar comercial fechou cotado a R$ 3,6650, no patamar máximo do dia, com uma alta de 1,52% em relação aos últimos negócios de ontem. Durante a manhã, a moeda norte-americana chegou a ser vendida a R$ 3,5400, o patamar mínimo do dia. Por volta das 15h30, o dólar passou a operar em alta e permaneceu assim até o fechamento dos negócios. Operadores afirmam que o Banco Central (BC) atuou no mercado de câmbio hoje, vendendo dólares no mercado à vista e por meio de leilões de linha externa. Com a alta dessa quarta-feira, a moeda norte-americana acumula uma valorização de 58,25% no ano. Um estudo da Economática Empresa de Informações Financeiras divulgado hoje mostrou que em setembro a taxa Ptax - média diária ponderada dos negócios realizados no mercado cambial - apresentou a segunda maior alta desde o início do Plano Real. A valorização no mês foi de 28,9%, ficando abaixo apenas da alta registrada em janeiro de 1999, quando o regime de bandas para o câmbio foi abandonado e as cotações passaram a oscilar livremente.No mercado de juros, as taxas acompanharam a tendência de alta apresentada pelas cotações do dólar. Os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagaram taxas de 21,050% ao ano, frente a 20,750% ao ano negociados ontem. Para a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), além da influência negativa da alta do dólar, os negócios foram impactados pela queda das ações nos mercados norte-americanos. O Ibovespa - que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa - encerrou essa quarta-feira em queda de 1,97%, com 8.820 pontos. Entre as ações que compõem o Índice, as três maiores baixas foram as ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Embratel (-10,31%), as preferenciais (PN, sem direito a voto) da Net (antiga Globo Cabo) (-7,69%) e Braskem PNA (-7,18%). As três maiores altas foram Souza Cruz ON (2,48%), Vale do Rio Doce PNA (1,9%) e Bradesco PN (1,88%). Segundo informou a editora Daniela Milanese, a Bovespa movimentou R$ 10,186 bilhões em setembro. A média de operações diárias foi de R$ 485,04 milhões com 25.287 negócios, uma queda de 23,37% e 22%, respectivamente, sobre agosto. Mercados internacionaisEm Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 2,31% e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - encerrou o dia em baixa 2,18%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em queda de 0,48%.Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.