Dia dos namorados pode superar Dia das Mães em São Paulo

Os presentes para os namorados este ano devem ser mais caprichados do que foram os das mães. Os filhos e filhas não só dão preferência aos companheiros na hora de homenageá-los como também se dispõem a gastar mais. Estas foram as constatações feitas por uma pesquisa da Federação do Comércio do Estado de São Paulo com 900 pessoas da região metropolitana da capital.Ao responderem à pergunta sobre se tivessem que escolher entre comprar um presente para o (a) namorado (a) ou a mãe, 79% disseram que preferem os (as) primeiros (as) e apenas 21% a segunda. O gasto médio previsto é de R$ 39,70 contra R$ 34 que era no Dia das Mães, sendo que as mulheres pretendem comprometer R$ 42,21 e os homens, R$ 37,07. Estes dados, de acordo com a Fecomercio-SP, confirmam as impressões do comércio de que a data já está se equiparando ao Dia das Mães em resultados de faturamento, representando a segundo melhor época para o varejo, depois do Natal. Isto estaria associado ao maior número de separações conjugais e novas uniões, entre pessoas com maior nível de renda. Outro fator preponderante é a maior independência dos jovens, que começam relacionamentos mais cedo e já presenteiam. A falta de dinheiro ainda se sobrepõe, tanto que 46% das pessoas entrevistadas não pretendem dar presentes no próximo dia 12. No Dia das Mães, este porcentual era de 34%. Para a Fecomercio-SP, o dado revela a queda do otimismo do consumidor.Para os 48% dos consumidores que pretendem comprar presentes, os bens do grupo de semiduráveis (roupas, calçados) devem ser os escolhidos, segundo a pesquisa da Fecomercio. No caso das mulheres, a camisa é o artigo predileto (13,54%), seguido da blusa/camiseta (9,61%) e calçados (7,42%). Os homens deverão escolher blusa/camiseta (9,85%) e vestido/saia (6,86%). Outros 37,96% vão recorrer a bens duráveis, como celular, CD, eletroeletrônico, jóia, bijuteria, relógio, óculos e livro. Os 18,5% restantes optarão pelo bens não-duráveis - perfume/cosméticos, bombons, flores e bebidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.