finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Diagnóstico de doenças graves é obrigatório

Planos de saúde contratados a partir de 1.º de janeiro de 1999 serão obrigados a oferecer a seus clientes exames de diagnósticos de doenças graves. Entre eles, marcadores para detecção precoce de câncer colo-retal, gástrico e de mama, além dos exames de útero conhecido como histeroscopia e o de refluxo urinário (urodinâmicos).Mesmo de alta complexidade, esses exames são apenas diagnósticos e, portanto, de cobertura obrigatória, conforme informações de técnicos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Eles foram excluídos da lista de procedimentos de cobertura parcial temporária, definida na semana passada e publicada ontem no Diário Oficial.ANS: objetivo da listaA ANS divulga a lista dos procedimentos médicos que devem ser utilizados como referência para a cobertura assistencial para deixar claro ao interessado em contratar um plano a quais exames e atendimentos terá direito. A lista orienta, principalmente, os portadores de doenças preexistentes, que podem saber quais procedimentos não terão cobertura integral por 24 meses após assinar o contrato. A partir desse prazo, os planos são obrigados a bancar o serviço ao associado. Se este precisar do atendimento antes do prazo determinado, pagará um valor extra. Veja mais informações na cartilha sobre planos de saúde. Com a publicação da lista, mesmo os portadores de doenças preexistentes passam a ter direito à cobertura de exames como de telopeptídeo, utilizado no diagnóstico de osteoporose; a prova de cross match, empregado na identificação do doador em transplante renal; e o exame de sulfato de dehidroepiandrosterona (S-DHEA), para verificar a existência de tumor supra- renal.Golden CrossA ANS convocou a direção da Golden Cross para dar explicações sobre os descredenciamentos em sua rede de serviços. A Agência tomou conhecimento do problema a partir de reportagem publicada ontem pelo jornal o Estado de S. Paulo. Segundo a Assessoria de Imprensa da ANS, os descredenciamentos não foram comunicados pela empresa à agência, conforme determina a lei.

Agencia Estado,

09 de maio de 2001 | 09h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.