finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Diamente de US$ 16,2 mi é o 2º mais caro da história

Mesmo diante de uma economia internacional ainda volátil, o mercado registrou hoje a segunda maior venda de diamantes da história. Em um leilão organizado pela Sotheby''s, em Genebra, um diamante de 84 quilates alcançou a marca de US$ 16,2 milhões e se tornou o segundo mais caro já vendido. Por pouco, o diamante de 3 centímetros encontrado em uma mina na África do Sul não bateu o recorde mundial de US$ 16,5 milhões, cravado em 1995. Depois de receber ofertas de todo o mundo, a casa de leilão bateu o martelo para a proposta do dono da loja de roupas Guess, George Marciano. Ele adquiriu a pedra para sua filha Chloe, de doze anos de idade. "Ela merecia", afirmou o comprador, por telefone, de sua residência na Califórnia. O proprietário do diamante era o também californiano Ron Cohen, que não escondia sua satisfação pelo preço atingido pela pedra. "Estou muito feliz com o resultado", disse. Para a Sotheby''s, que atravessa uma crise diante do fracasso de suas vendas de obras de arte na semana passada, o preço atingido hoje é "uma declaração ao mercado" de que o setor de jóias ainda resiste às turbulências. No total, a casa de leilões acumulou vendas na noite esta noite de mais de US$ 55 milhões em colares, pedras e outras jóias feitas com diamante.

JAMIL CHADE, Agencia Estado

14 de novembro de 2007 | 19h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.