Dicas ao contratar seguro do carro

A primeira recomendação da Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual, é analisar as reais necessidades e os serviços que a cobertura do seguro deve oferecer. As opções no mercado são das mais diversas e o consumidor deve atentar a qualquer detalhe a mais ou a menos previsto nos contratos.O setor de seguros é um dos que mais recebem reclamações nos órgão de defesa do consumidor - Procon e Idec. As principais queixas são com relação às cláusulas contratuais e aos valores de indenização. Por isso, é importante atentar a alguns itens que podem evitar futuros prejuízos ou aborrecimentos.A leitura e total compreensão do que está determinado no contrato é fundamental. Caso fique alguma dúvida pendente, o consumidor deve esclarecê-la com o representante da empresa. Verificar se tudo o que foi acertado está descrito no contrato - as condições de pagamento, a cobertura, prêmio, franquia e indenizações. Recentemente, o Idec analisou os contratos dos seguros de automóveis de sete companhias: AGF Brasil, Bradesco, Itaú, Marítima, Porto Seguro, Sul América e Unibanco. O órgão descobriu uma série de irregularidades que podem prejudicar o consumidor, como o fato de que as seguradoras não fornecem todas as cláusulas do contrato ao cliente antes da assinatura da apólice.Os juros cobrados nos parcelamentos dos seguros de automóveis caíram em relação a fevereiro. Já os seguros de veículos usados apresentaram um aumento médio de 22,5% entre janeiro de 2000 e janeiro deste ano. Veja nos links abaixo mais detalhes sobre as pesquisas que revelaram estes dados além de dicas e outras orientações para a contratação de um bom seguro na cartilha de serviços do site de Finanças Pessoais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.