Dieese apura queda no preço da cesta básica em todo o País

A redução nos gastos com alimentação, que tem sido mostrado pelos indicadores de inflação regionais, foi detectado em junho, em nível nacional, pela Pesquisa da Cesta Básica, que o Dieese realiza mensalmente em 16 capitais do País. O valor da cesta básica caiu em todas as capitais pesquisadas e as retrações variaram de 0,37%, em Recife, a 10,18%, em Belém. Segundo lembram os técnicos do Dieese, a tendência da queda nos preços dos produtos alimentícios essenciais já havia sido verificada em maio, quando apenas uma cidade tinha apresentado alta no seu conjunto de produtos básicos. A cidade de São Paulo, mesmo com o recuo de 3,82%, manteve-se no topo do ranking das capitais onde se desembolsa mais dinheiro pela compra da ração mínima essencial. Quem adquiriu uma cesta de alimentos dentro dos moldes do Dieese na cidade de São Paulo em junho teve que desembolsar R$ 169,22. Em Natal, onde foi constatado o menor valor pago pela cesta básica no País, o consumidor gastou, em média, R$ 137,29. Em termos porcentuais, o custo da cesta básica em Natal sofreu uma queda de 5,90%. Semestre Segundo o Dieese, no acumulado dos seis primeiros meses do ano, o custo da cesta básica apresentou variações bastante diferenciadas. Os maiores aumentos acumulados foram registrados nas capitais do Nordeste, onde, entre janeiro e junho, os alimentos essenciais tiveram alta entre 10,14%, em Natal, a 15,42%, em Fortaleza. No acumulado de 12 meses, a cesta básica subiu mais de 30% na média das 16 capitais. Com base no maior preço da cesta básica, a de São Paulo, o Dieese calcula que o salário mínimo ideal para cobrir todos os gastos de uma família com dois adultos e duas crianças seria de R$ 1.421,62, ou 5,9 vezes o mínimo vigente, de R$ 240,00.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.