Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Dieese nega que reajustes salariais contaminem inflação

O Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socio-econômicos (Dieese) refuta a análise de segmentos do mercado financeiro e até mesmo do Banco Central (BC) de que os reajustes salariais negociados nesse ano possam contaminar de alguma forma a inflação dos próximos meses. Para o coordenador Técnico do Dieese, Wilson Amorim, essa não seria uma boa justificativa para que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deixasse de reduzir a Selic, a taxa básica de juros da economia, na sua próxima reunião, agendada para terça e quarta-feira da semana que vem."Nos últimos cinco anos, independentemente do movimento inflacionário, os salários sofreram perdas de quase 30%", argumenta. "Em 2002, somente 54,7% das 499 categorias profissionais do País obtiveram, via negociação coletiva, reposição salarial igual ou superior ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)", complementa.Ele reconhece, no entanto, que neste ano, pela primeira vez desde 1994, os sindicatos saíram em campanha por reposição salarial fora do período de suas datas-base. "Mas essas reposições se deram de forma heterogênea em diferentes categorias: abono, reajustes simples, reajustes parcelados", comenta, negando com isso a existência de qualquer princípio de indexação.Amorim ressalta ainda que, até o momento, levantamentos preliminares indicam que as negociações entre sindicatos de trabalhadores e empregadores, em andamento na Região Metropolitana de São Paulo para a campanha salarial de 2003, têm se dado em um ambiente em que nem mesmo a inflação do período anterior foi recuperada pela massa salarial.Estão em "Campanha Salarial Unificada" em São Paulo, comandados pela Central Única dos Trabalhadores no Estado (CUT-SP), 30 categorias, em uma base de 1 milhão de trabalhadores dos setores privado, público e rural. Nesse grupo estão professores (Apeoesp), funcionários da Educação (Afuse), da Sabesp e da Cetesb (Sintaema), Febem (Sintraemfa), saúde (Sindsaúde), e professores universitários da USP e Unicamp (Sintusp e STUnicamp), entre outros.Negociação será ?duelo interessante?"Não podemos pensar em inflação de demanda, como muitos argumentam, que seria fruto dos reajustes salariais, porque os números mais recentes da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) apontam para o aumento das demissões em março e abril desse ano", sustenta.Além disso, o coordenador do Dieese lembra que, até o momento, todas as indicações sobre o desempenho da economia em 2003 mostram um quadro de baixo crescimento econômico e alto nível de desemprego. "Nessas circunstâncias, o ambiente de negociação salarial é extremamente tenso", comenta. Amorim admite, no entanto, que cada um dos atores envolvidos nas negociações salariais travará um dos duelos mais interessantes dos últimos anos."Os empresários vão avaliar o comportamento da inflação para os próximos meses e, se perceberam que haverá queda do índice inflacionário, vão avaliar os reajustes salariais como um aumento de custo. Do seu lado, os trabalhadores vão mostrar a situação difícil que vivem com a inflação acumulada nos 12 meses anteriores à negociação", analisa. "A barganha aparecerá nessa discussão", estima.

Agencia Estado,

16 de maio de 2003 | 17h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.