Dieese prevê queda no desemprego no último trimestre do ano

a taxa de desemprego na Grande São Paulo deverá cair nos meses de outubro a dezembro, caso seja mantido o comportamento do desemprego como nos últimos anos, observaram hoje os técnicos da Fundação Seade e do Dieese, durante a divulgação da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED). A pesquisa divulgada hoje, referente ao mês de setembro, registrou taxa de desemprego de 16,9% em setembro.Os técnicos das duas instituições não admitem, mas, mantido o movimento de queda dos últimos anos, a taxa de desemprego da Grande São Paulo poderá chegar, em dezembro, no menor nível nos últimos 5 anos. "Não fazemos especulações sobre os índices, mas o que podemos dizer é que as condições econômicas hoje já são muito favoráveis", afirmou o coordenador de Análise de Pesquisas da Fundação Seade, Alexandre Loloian.A menor taxa de desemprego em dezembro foi verificada em 2000, quando o índice atingiu 16,2% da População Economicamente Ativa (PEA). Em 2001, a taxa no mesmo mês ficou em 17,8%, sendo seguida pelos índices de 18,5%, em 2002; 19,1% em 2003; e 17,1% em 2004.Taxa de setembroDe acordo com Marise Hoffmann, técnica do Dieese, para que o índice de desemprego diminua de forma mais significativa, é necessário haver uma conjugação dos movimentos sazonais de contratação do mercado de trabalho (que costumam acontecer em dezembro), com o crescimento da economia. "Foi o que aconteceu no ano passado, com o efeito sazonal combinado ao crescimento econômico, o que resultou numa queda mais acentuada do desemprego", explicou. "Talvez, essa combinação não se dê neste ano", ressalvou.Outra observação cautelosa feita pelos especialistas das duas instituições foi a de que a perspectiva de melhora do mercado de trabalho poderá atrair mais pessoas a procurarem emprego, acima da oferta do mercado, o que, em última conseqüência, aumentaria o índice de desemprego. E, por este motivo, os técnicos preferiram não assegurar que o nível de desemprego este ano poderá ser o menor na série dos últimos cinco anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.