Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Abril apresenta a menor proporção de reajustes de salários com ganhos reais em 2022, diz Dieese

Levantamento aponta que apenas 8% alcançaram resultados acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor do IBGE

Jessica Brasil Skroch, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2022 | 10h43

Abril foi o mês que teve a menor proporção de reajuste de salários com ganhos reais neste ano, segundo levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Apenas 8% dos reajustes foram acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa foi a segunda menor proporção nas últimas 15 datas-bases, acima apenas de novembro de 2021.

Os reajustes iguais ao índice representam 46% do total de reajustes. De acordo com o Dieese, os dados preliminares praticamente repetem os da data-base de março, quando 53,7% das negociações conseguiram reajustes iguais ou superiores ao INPC. Porém, o percentual de reajustes abaixo da inflação, 46% do total, ainda permanece em alto patamar. 

No acumulado do ano, houve ligeira piora em relação ao boletim anterior. Os reajustes salariais abaixo do INPC-IBGE representam 40,8% do total no ano. Aqueles em percentuais iguais à inflação são 31,6%, e os resultados acima do índice inflacionário representam 27,6%. 

Variação real média

Em abril, a variação real média dos reajustes foi de -0,76%. Em todas as últimas 15 datas-bases, o Dieese afirma que a variação real dos reajustes foi negativa, especialmente em julho de 2021 (-1,94%). 

“As médias negativas refletem o peso dos resultados abaixo do INPC-IBGE, que superam em grandeza os ganhos dos reajustes acima do índice inflacionário”, explica o Dieese.

Os reajustes abaixo do INPC-IBGE de abril foram, em média, equivalentes a apenas 83% do valor necessário para a recomposição plena dos salários.

Reajuste necessário 

Devido ao aumento de 1,04% dos preços em abril, o valor do reajuste necessário para maio será de 12,47%, segundo o INPC-IBGE. Esse é o maior valor do período considerado no boletim do Dieese, entre fevereiro de 2021 a maio de 2022. 

Pisos salariais 

O valor médio dos pisos de 2022 é de R$ 1.414,77. O maior valor médio pertence ao comércio (R$ 1.481,54), e o menor, à indústria (R$ 1.380,19). 

No recorte geográfico, o maior piso salarial médio é do Sul, de R$ 1.536,67. O menor é do Nordeste, de R$ 1.330,10. 

No Sudeste, o piso salarial médio foi de R$ 1.420; no Norte de R$ 1.368,09; e no Centro-Oeste de R$ 1.362,89.

Por região 

Nos primeiros quatro meses de 2022, a região Sul foi a que apresentou o maior percentual de reajustes iguais e acima da inflação, cerca de 77% dos casos analisados. O Sudeste  teve o maior percentual de ganhos acima da inflação (38,7%). 

Os piores resultados foram registrados no Centro-Oeste, onde 63,7% dos reajustes ficaram abaixo do INPC-IBGE, 21% acompanharam a variação do índice inflacionário e apenas 15,3% ficaram acima dele. 

Por setor econômico

De janeiro a abril, reajustes iguais e acima da inflação foram mais frequentes no comércio, presentes em cerca 67% das negociações analisadas pelo Dieese. Na indústria, houve pelo menos reposição da inflação anual em 64% dos casos. 

Porém, os aumentos reais foram mais regulares na indústria (29,4%) do que no comércio (17,1%).

O setor de serviços se destaca tanto pela maior proporção de reajustes abaixo (45,1%) quanto acima (29,8%) do INPC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.