Dieese: São Paulo tem cesta mais cara em setembro

A cidade de São Paulo apresentou a cesta básica mais cara do País em setembro, conforme mostrou hoje a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada em 16 capitais pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). No final do mês passado, o custo médio do conjunto de produtos alimentícios essenciais na capital paulista alcançou R$ 234,68. Mesmo com um valor 2,68% mais baixo do que o de agosto, a cesta do município ultrapassou a de Porto Alegre no ranking das cestas brasileiras com valor mais significativo.A capital gaúcha, que apresentou cesta com preço médio mais alto durante quatro meses consecutivos, ficou na segunda posição do ranking em setembro, com valor médio de R$ 232,16, depois de cair 3,73%. O terceiro maior valor foi verificado em Florianópolis (R$ 223,47), que foi seguido de perto pelas cestas de Brasília (R$ 221,03), Belo Horizonte (R$ 220,97), Curitiba (R$ 218,10), Rio de Janeiro (R$ 215,58) e Vitória (R$ 205,09). As cestas mais baratas do período foram encontradas em Recife (R$ 167,76) e Fortaleza (R$ 169,67), que também ficaram nestas posições do ranking em agosto.De acordo com o Dieese, dos 13 produtos pesquisados em São Paulo, oito apresentaram variação negativa, três ficaram estáveis e apenas dois registraram pequena alta. Foram verificados aumentos no preço do açúcar refinado (0,86%) e no valor do café em pó (0,13%). Não houve alteração para o leite in natura tipo C, arroz agulhinha tipo 2 e banana nanica. As retrações ficaram por conta da batata (-15,79%), tomate (-15,45%), óleo de soja (-4%), farinha de trigo (-2,51%), feijão carioquinha (-2,48%), manteiga (-1,69%), pão francês (-0,32%) e carne bovina de primeira (-0,08%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.