finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Diferença entre tarifas bancárias chega a 500%

O levantamento semestral de tarifas bancárias feito pela Fundação Procon-SP, órgão defesa do consumidor ligado ao governo estadual, revelou que, dentre os 40 itens pesquisados, a maior diferença registrada na cobrança de tarifas foi de R$ 45,40 para a renovação do cadastro da conta especial (valor anual), representando uma variação 504,44% entre o menor e o maior valor pesquisado. De acordo com dados coletados entre os dias 11 e 13 de setembro, o serviço custava R$ 9,00 no Banco do Brasil e R$ 54,40 no Real, sendo que o Itaú não cobrava essa tarifa para operações de crédito de até R$ 20 mil e acima disso cobrava R$ 15,00 por cadastro. Em comparação com a pesquisa realizada em março, os bancos que alteraram suas taxas foram: Banespa, Banco do Brasil, BBV, Itaú, Santander, Real e Unibanco. Dentre as mudanças, destacamos algumas mais relevantes para o bolso do cliente. A pesquisa completa está disponível no site do Procon-SP (veja link abaixo).O Banespa, por exemplo, elevou a tarifa do cheque administrativo/ordem de pagamento de R$ 14,00 para R$ 18,00. Já para o cheque sustado perda/roubo, a tarifa subiu de R$ 6,00 para R$ 10,00, por solicitação. No BBV, a tarifa do cadastro na abertura das contas especial e comum passou de R$ 15,00 para R$ 18,00. O Itaú, para a contratação do cheque especial, passou a cobrar R$ 6,50, sendo que este custava R$ 1,50. No Real a tarifa para a ordem de pagamento de outra praça passou de R$ 5,00 para R$ 16,24.No Banco do Brasil, a renovação do cadastro da conta comum, que era isenta pela pesquisa anterior, passou a custar R$ 9,00. Outros serviços que eram isentos, como o primeiro e o segundo talão de cheques no mês com 20 folhas, passaram a custar R$ 5,00. Já a tarifa do cadastro na abertura da conta especial, que era de R$ 15,00, passou a ser isenta. O cliente não deve se esquecer, no entanto, que os bancos oferecem pacotes de produtos e serviços tarifados, debitados mensalmente, onde é oferecida ao cliente uma quantidade fixa de operações a realizar no mês. É recomendável que o consumidor pesquise e compare para poder optar pela forma de pagamento mais vantajosa.O Procon-SP alerta que, de acordo com a Resolução 2.303/96, do Banco Central, fica a critério do consumidor a opção pela isenção de pagamento do cartão magnético ou de uma talão de cheques por mês. Pela Resolução 2.747, de 30/6/2000, o talonário de cheques deve conter pelo menos dez folhas. Além disso, a tabela de tarifas bancárias deve estar afixada com 30 dias de antecedência da data de vigência, em local visível e de fácil acesso na agência. Se o banco não cumprir essas resoluções, o consumidor deve denunciar irregularidades ao Procon ou ao Banco Central.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.