Dilma admite possibilidade de déficit de energia após 2007

A ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, admitiu hoje que o País pode sofrer déficit no setor de energia após 2007 caso mantenha um patamar de crescimento econômico acima de 5,5% a partir de 2004. Ela comentou que o governo utiliza o cenário de maior crescimento do PIB para balizar o futuro do setor elétrico. "O déficit é um dos cenários possíveis, mas não está assegurado. Trabalhamos com o cenário mais difícil para que o governo possa se planejar melhor", disse, durante palestra no 3º Fórum Brasileiro de Energia Elétrica, realizado em São Paulo. A ministra comentou que, caso todas as obras inscritas no Ministério de Minas e Energia e também na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), bem como os projetos potenciais que ainda estão em fase de levantamento de informações e outros que ainda não receberam licença ambiental, saiam do papel, o déficit após 2007 estará coberto e haverá, ainda, uma pequena sobra de energia. "É por isso que estamos priorizando o planejamento do setor de longo prazo", justificou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.