Dilma alerta sobre risco de novo apagão

A ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, alertou ontem para o risco de falta de energia antes de 2010, caso não sejam resolvidos os problemas de licença ambiental de 24 usinas que estão sendo consideradas no planejamento do setor.Atualmente há sobra de energia, pois o sistema tem capacidade de gerar 50 mil megawatts médios e o consumo está em torno de 45 mil MW médios. Mas essa sobra deve se esgotar em torno de 2007 e precisará ser completada pelas usinas em construção e por projetos novos que garantirão mais 5 mil MW médios. Cerca de 2,7 mil MW médios dependem das 24 usinas. Os dados foram apresentados ontem pela ministra aos empresários, sindicalistas e demais integrantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, juntamente com a nova regulamentação do setor elétrico. Dilma explicou que esses problemas existem porque o Brasil está passando por um momento de transição no setor elétrico, antes da vigência plena do novo modelo.Pelas novas regras, as usinas entrarão no leilão já com a licença ambiental concedida. "Esse é um processo contínuo para que o País tenha expansão sustentável. Teremos de estar lutando por um conjunto de usinas licenciadas. Caso contrário, quando não tem investimento, tem desabastecimento."Agentes envolvidosSegundo Dilma, o governo está fazendo todo esforço para resolver os impasses, mas afirmou que este não é um problema a ser resolvido só com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e de Recursos Naturais e Renováveis (Ibama). Participam também dos procedimentos legais os ministérios públicos Federal e Estadual e as agências de meio ambiente dos Estados. "É um desafio, mas é algo perfeitamente possível de ser resolvido com vontade política." Dilma alertou também para a necessidade de se discutir como a expansão do setor será financiada. Ela lembrou que hoje só o BNDES financia projetos desse tipo. Se o País apelar para recursos externos, ela alerta que haverá um custo adicional por causa das garantias que os investidores estrangeiros vão buscar contra o risco País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.