Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Dilma critica barreiras impostas aos emergentes

Ao discursar hoje na 4ª reunião dos Brics, grupo integrado pelo Brasil, Índia, China, África do Sul e Rússia, a presidente Dilma Rousseff criticou as barreiras "injustas" impostas pelos países ricos aos emergentes. "A consequente depreciação do dólar e do euro traz enormes vantagens comerciais para os países desenvolvidos e coloca barreiras injustas à competitividade dos produtos oriundos dos demais países, em especial o Brasil", disse Dilma. "Contudo, nós, do Brasil, não queremos, não iremos, nem concordamos em um processo de levar a uma competição na qual cada país tenta sair da crise desvalorizando sua moeda e o ganho de seus trabalhadores."

TÂNIA MONTEIRO, ENVIADA ESPECIAL, Agencia Estado

29 de março de 2012 | 14h28

A presidente Dilma defendeu uma nova política de combate à crise, baseada na expansão do investimento e do consumo, na expansão dos mercados internos das principais economias mundiais e no crescimento equilibrado do comércio internacional. Dilma reiterou que "medidas exclusivas de política monetária não são suficientes para superação dos atuais problemas da economia mundial". E alertou que a recessão, o desemprego e a precarização do trabalho apenas ganham tempo e podem gerar bolhas especulativas, caso não sejam acompanhadas pela recuperação do investimento, do consumo e um aumento do crescimento internacional.

Dilma pregou também que países com elevadas dívidas, como muitos da Europa, devem fazer o ajuste fiscal para ganhar credibilidade. Para a presidente, as reformas estruturais são importantes, mas só darão resultados se combinadas com a volta do crescimento.

Segundo ela, países do Brics são exemplo de que a principal frente de expansão para a economia mundial é o consumo interno, por meio da incorporação de milhões de pessoas à sociedade de consumo de massa.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaBricsbarreiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.