Dilma defende investimentos da Petrobras na Bolívia

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, defendeu hoje a retomada dos investimentos da Petrobras na Bolívia. Em audiência pública de três comissões na Câmara, Dilma lembrou aos deputados que a Bolívia tem uma das maiores reservas de gás do mundo. "Por que não investir lá?", questionou a ministra.Para ela, a apropriação das reservas da Petrobras na Bolívia já foi resolvida. Segundo a ministra, o governo avaliou que a oferta de gás boliviano é essencial para o país. Ela lembrou que a lucratividade é importante para Petrobras, mas ponderou que isso não impede a retomada dos investimentos por causa da importância da oferta do oferta de gás boliviano.A ministra citou que a empresa pode ampliar a produção dos poços já existentes e apoiar a criação de novos pontos de extração de gás. Sem definir prazos, a ministra disse que os investimentos novos da Petrobras irão demorar a ter impacto na oferta ao consumidor. Ela avaliou, por exemplo, que para 2012 a oferta de gás natural alcance 134 milhões de metros cúbicos. Nessa estimativa, o governo manteve a mesma projeção de oferta do gás boliviano (30 milhões de metros cúbicos). O restante do volume ofertado no país viria da produção nacional (73 milhões de metros cúbicos) e GNL (31 milhões de metros cúbicos).A ministra também citou que a Petrobras tem em seus planos a construção de uma terceira unidade produtora de GNL (gás natural liquefeito). Dilma, porém, não deu detalhes sobre a capacidade de produção e localização da planta. Esses detalhes, segundo ela, serão anunciados brevemente pela Petrobras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.