Dilma defende trem-bala e justifica adiamento de leilão

Segundo a presidente, licitação foi adiada para que disputa tivesse mais empresas; operação está prevista para 2020 

Gustavo Porto, da Agência Estado,

29 de agosto de 2013 | 13h14

Em entrevista a emissoras de rádio de Campinas (SP), a presidente Dilma Rousseff defendeu a implantação do Trem de Alta Velocidade (TAV) entre o Aeroporto de Viracopos, na cidade paulista, e o Rio de Janeiro, e ainda justifica o adiamento do leilão de licitação.

Ele considerou "que Viracopos será inequivocamente um dos maiores hubs portuários do País" e que é necessária a ligação por meio do TAV entre o aeroporto, o de Cumbica, em Guarulhos (SP), e o do Galeão, no Rio. "Temos as duas cidades mais populosas (do País) e uma imensa região metropolitana de São Paulo e de Campinas. Imagine quantos milhões de pessoas nós agregaremos? Por isso adiamos a primeira licitação, para ter mais empresas", justificou.

O adiamento do leilão do trem-bala até ao menos 2014 foi anunciado pelo ministro dos Transportes, César Borges, no último dia 12. A entrega de propostas de empresas interessadas no projeto estava marcada para 16 de agosto e o leilão para a escolha do operador e da tecnologia ocorreria em 19 de setembro. A operação do TAV ainda está prevista para 2020.

Tudo o que sabemos sobre:
trem bala

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.