Dilma diz esperar que Senado reverta 'disputa fratricida' dos royalties

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse há pouco que espera que o Senado chegue a um consenso sobre a proposta de redistribuição dos royalties do petróleo, que está em discussão no Congresso Nacional. "Esperamos que no Senado isso seja revertido e que busque um consenso muito melhor que uma disputa fratricida entre os Estados", disse Dilma, ao chegar para a reunião do Conselho de Administração da Petrobrás, em Brasília.

Gerusa Marques, da Agência Estado,

19 de março de 2010 | 11h41

 

O projeto aprovado pela Câmara e encaminhado ao Senado prevê a distribuição igualitária dos royalties do petróleo a todos os estados e municípios, o que contraria o interesses dos estados produtores (Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo).

Dilma disse que neste momento o governo não trabalha com a possibilidade de vetar esse dispositivo, caso ele seja mantido no senado. "Não trabalhamos com essa hipótese e seria um desrespeito ao Senado, aos senadores e ao Congresso discutir uma questão dessas a esta altura", afirmou a ministra.

 

A ministra lembrou que quando o governo começou a discutir o marco regulatório do pré-sal, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sugeriu que essa questão dos royalties não fosse discutida neste ano, "e deixasse para discutir depois sem as emocionalidades que cercam esta questão em ano eleitoral".

Segundo Dilma, a Constituição prevê que os estados produtores confrontantes sejam contemplados de forma diferenciada e que este seria o caso dos estados do Rio e Janeiro, Espírito Santo, São Paulo e Rio Grande do Norte. Segundo ela o projeto derrotado na Câmara contemplava as duas questões: priorizar os estados produtores e distribuir para os demais, por meio da manutenção das regras vigentes. "Jamais colocamos essa questão retroativa ao que já existe. Isto nós nunca cogitamos", disse Dilma, acrescentando que direitos adquiridos nos estados está em outro regulamento.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.