Dilma diz que não vai propor renegociação de índice de reajuste

A ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, disse hoje que não tomará a iniciativa de propor uma renegociação geral dos índices de reajustes das empresas do setor elétrico, nem de redução de impostos sobre as contas de luz. "Se tiver uma negociação, ela é de longo prazo. Ela não é amanhã", disse Dilma, alertando que a iniciativa tem que partir dos empresários.A ministra explicou que não recebeu nenhum pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para fazer uma negociação desse tipo. Ela relata que o pedido de Lula foi apenas para estudar o caso da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe), que teria um reajuste muito elevado em conseqüência de regras do antigo modelo do setor elétrico, que ainda prevalece em alguns contratos. "O que aconteceu foi um pedido no caso da Celpe, para a gente avaliar diante do fato de que pediram 58% (de reajuste) e estavam dando 38%." Segundo Dilma, o presidente mostrou-se preocupado com o aumento e a reação que ele provocou em Pernambuco. "O presidente manifestou pra mim a maior preocupação dele quanto a isso, quanto a esse tamanho do reajuste, que produzia, por exemplo, impacto de 40% na indústria. Foi especificamente sobre a Celpe", ressaltou Dilma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.