Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Dilma faz acordos de energia e TV com Mujica

Acompanhada de oito ministros, a presidente assina oito acordos e discute formas de integrar área de fronteira

Ariel Palacios, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2011 | 00h00

ENVIADO ESPECIAL / MONTEVIDÉU

Foi uma visita de apenas cinco horas, mas os resultados apareceram. No primeiro encontro oficial com o colega uruguaio José Mujica, a presidente Dilma Rousseff, acompanhada de oito ministros, assinou oito acordos - um deles para construir uma linha de transmissão de energia elétrica, envolvendo a Eletrobrás e a uruguaia UTE, e outro sobre um sistema comum de TV digital.

Os dois acertaram também projetos em áreas como conexões ferroviárias, intercâmbio tecnológico e capacitação de policiais. A ideia dos dois governos é acelerar obras de infraestrutura e avançar a integração na área de fronteira.

A visita de Dilma começou pelo Laboratório Tecnológico do Uruguai (Latu), onde uruguaios e brasileiros desenvolvem a adaptação do sistema de TV local à nova tecnologia da TV digital. No ano passado, após idas e vindas, o Uruguai decidiu adotar o sistema nipo-brasileiro.

Dilma e José Mujica foram depois para a sede da chancelaria uruguaia, onde conversaram a sós durante duas horas, enquanto os ministros mantinham reunião paralela. Após a reunião, os presidentes leram um comunicado à imprensa. Nele destacaram a cooperação e Dilma mencionou a criação de um marco jurídico para intercâmbio de energia elétrica entre os dois países.

Um dos projetos será a construção de uma linha de transmissão de 500 quilovolts (kV) que vai interligar o Brasil e o Uruguai, num projeto em que a Eletrobrás vai trabalhar com a UTE, companhia uruguaia.

"Trocamos informações sobre quadro internacional bastante complexo", destacou Dilma, falando também das comemorações de 20 anos do Mercosul (em março). Segundo a presidente, a região é uma das que mais crescem no mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.