Dilma faz 'liquidação' de medidas do velho modelo

Dilma faz 'liquidação' de medidas do velho modelo

Ações que vêm sendo anunciadas no momento de transição, e que vão em direção oposta ao plano de Levy, são jogo combinado

LU AIKO OTTA / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

05 Dezembro 2014 | 02h01

Na transição entre duas políticas econômicas diferentes, o governo vem adotando medidas que às vezes apontam para direções opostas. Em contraste com o discurso de austeridade adotado pelo futuro ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o Planalto segue produzindo endividamento e manobras contábeis. Mas nada disso provoca crise porque é jogo combinado, segundo se comenta nos bastidores. É uma espécie de "limpeza de estoque" da era de Guido Mantega à frente da Fazenda.

Além do aporte de R$ 30 bilhões no BNDES e da autorização para usar o saldo financeiro de outros anos para pagar despesas obrigatórias de 2014, constantes de uma Medida Provisória editada na quarta-feira, o governo se prepara também para corrigir a tabela progressiva do Imposto de Renda da Pessoa Física em 4,5% para 2015, uma medida que reduzirá a estimativa de arrecadação em cerca de R$ 5 bilhões.

Também está a caminho uma reformulação de tabelas do Simples que só não causará impactos negativos no caixa se o faturamento das empresas inscritas aumentar em 4,2%.

Dessa lista, o item que mais chamou a atenção pela contradição com o discurso de Levy foi o aporte ao BNDES. Na única manifestação que fez desde sua indicação, ele disse que seu objetivo imediato é reduzir o volume da dívida bruta como proporção do Produto Interno Bruto (PIB) e que, para isso, não deveria haver "ampliação do estoque de transferências do Tesouro para as instituições financeiras públicas".

Foi exatamente isso que a medida provisória fez.

"É o inverso do que disse o ministro Levy", admitiu o senador Romero Jucá (PMDB-RR). "Mas ele ainda não assumiu."

Sem surpresa. Um interlocutor da presidente Dilma disse que Levy não foi surpreendido pelo aporte, que servirá para atender a contratos assinados pelo banco. Já se sabia, há alguns meses, que o BNDES precisaria de mais recursos para honrar os contratos deste ano.

Nos bastidores, o entendimento é que essa injeção de recursos não altera a diretriz de, a partir de 2015, mudar a forma de atuação do BNDES. As grandes empresas, largamente beneficiadas na atual fase, serão estimuladas a buscar recursos no mercado para investir. A estratégia é aquela descrita por Levy em seu discurso: estimular o desenvolvimento do mercado de capitais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.