Dilma não acredita que crise na Bolívia prejudique Brasil

A ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, disse hoje que não acredita que haja risco de interrupção no fornecimento de gás da Bolívia para o Brasil com a crise política que atinge aquele País. "Não há nenhuma interrupção. A Bolívia tem sido absolutamente impecável no que se refere ao fornecimento de gás natural", disse a ministra, depois da solenidade de assinatura de convênio entre a Petrobrás e o Ministério das Cidades, para a utilização de gás natural no transporte urbano. Segundo a ministra, nem em outros momentos de instabilidade naquele país houve interrupção no fornecimento de gás. "Não acreditamos que haja nenhum risco no que se refere aos aspectos comerciais", disse Dilma, acrescentando que deseja que a crise na Bolívia chegue a um bom termo. "Para nós a Bolívia é um parceiro estratégico no Mercosul, tanto na área de gás quanto em vários outros projetos que nós pretendemos desenvolver em conjunto ", disse a ministra."O que nós desejamos, do ponto de vista da importância da Bolívia na estruturação energética do Mercosul, é que o País se estabeleça e se desenvolva". Ao ser questionada se uma eventual ascensão da oposição ao poder na Bolívia, prejudicaria o Brasil, a ministra disse que não é papel do governo brasileiro se posicionar a respeito da política interna daquele país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.