Dilma: não é necessário falar em racionamento

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse hoje que, no momento, não é necessário falar em racionamento de energia. "Não é necessário porque nós tomamos todas as medidas para que haja oferta de energia", disse a ministra, em entrevista ao programa Bom Dia Brasil, da TV Globo. "Quem faz racionamento é quem não tomou as providências para que haja energia suficiente", acrescentou. Segundo a ministra, as usinas incluídas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) foram licitadas, com licença ambiental, e estão prontas para serem iniciadas. Além disso, lembrou, a chuva começou e o governo acredita no aumento do nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas. "Mas nós não dependemos só de reservatórios".Dilma lembrou que o governo tomou providências para assegurar que haja energia térmica, com base no gás, suficiente este ano. Segundo a ministra, agora em fevereiro entrará em operação o gasoduto Cabiúnas-Vitória, que vem sendo construído ao longo dos anos. "A entrada desse gasoduto produzirá 1 mil megawatt (MW) de energia térmica", garantiu. Dilma destacou também que ao longo deste ano o País contará com dois terminais de gás natural liquefeito (GNL). "Nós tomamos todas as providências para resolver o problema, ofertando mais energia com base em gás, porque a térmica, quando a hídrica não está disponível, tem pouca água, se usa a térmica e com isso se preserva os reservatórios", conclui.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.