Dilma nega falta de investimento no setor elétrico

A ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, disse que continua havendo uma parte substantiva dos investimentos no setor elétrico. "Não é verdade que não há investimentos neste setor", disse a ministra, após participar na cerimônia de entrega do prêmio Abradee de 2003 às distribuidoras de energia elétrica. Segundo ela, neste ano estão sendo acrescidos ao sistema 6 mil megawatts de energia. Dilma ressaltou que existem problemas de licenciamento ambiental herdados do governo passado, mas que o Ministério de Minas e Energia, em conjunto com o Ministério do Meio Ambiente, está fazendo um monitoramento sistemático de cada projeto, no sentido de solucionar os problemas ambientais. "Posso assegurar que não existe o menor risco de racionamento", afirmou Dilma. Segundo ela, há sobra de energia, tanto para este quanto para o próximo ano, não só porque estão entrando em operação novas usinas como também porque o mercado não está crescendo na mesma proporção do aumento da capacidade de geração.Segundo a minsitra, a grande incerteza regulatória, no Brasil, ocorreu no racionamento. A ministra disse que qualquer modelo do setor elétrico tem que assegurar o fornecimento de energia suficiente, confiável e garantida. "Estamos construindo um modelo para, definitivamente, estabilizar o marco regulatório", afirmou. Segundo ela, está havendo discussões constantes, e o ministério tem ouvido todos os agentes do setor.Parceria A ministra de Minas e Energia disse que a parceria entre o governo, os agentes reguladores e os investidores resultará na construção de um novo modelo que terá um marco regulatório estável. Segundo ela, será possível definir uma nova etapa que garanta a expansão do setor a preços mais baratos e competitivos. Essa nova etapa partirá, segundo Dilma, desde o ponto de vista da gestão operacional, quanto de um ambiente financeiro e econômico mais saudável.A ministra cumprimentou as empresas que venceram os prêmios em diversas categorias, afirmando que elas merecem um parabéns duplo, não só pelo bom desempenho que apresentaram, como também por tê-lo alcançado num momento em que o setor elétrico está saindo de um período de crise que teve como ponto culminante o racionamento. Segundo ela, a conquista das distribuidoras ganha especial destaque porque foi obtida em condições não muito favoráveis. A ministra voltou a ressaltar a necessidade da inclusão elétrica, argumentando que ainda existem, no País, cerca de 13 milhões de brasileiros que não têm acesso à energia elétrica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.