Dilma quer proteção contra países de fora do Mercosul

A presidente Dilma Rousseff defendeu hoje medidas de proteção ao mercado da América do Sul contra a invasão de produtos de outros blocos, como a União Europeia (UE) e também dos Estados Unidos e outros países. Em discurso na abertura da 41.ª Cúpula do Mercosul, em Assunção, Paraguai, Dilma afirmou que são necessárias medidas para "reequilibrar" a relação com parceiros de fora do bloco.

LISANDRA PARAGUASSU, ENVIADA ESPECIAL, Agencia Estado

29 de junho de 2011 | 14h02

De acordo com a presidente, "parceiros de fora buscam vender aqui produtos que não encontram mercados no mundo rico" e é necessário "avançar no desenvolvimento de mecanismos comunitários que venham a reequilibrar essa situação".

Dilma afirmou que existe uma proposta brasileira sobre o tema que está sendo debatida na comissão de comércio do Mercosul e cobrou a conclusão da discussão nos próximos seis meses, durante a presidência pro tempore do Uruguai. "Devemos cuidar para que nossos mercados venham a servir de estímulo ao nosso crescimento", cobrou.

O governo brasileiro não deu ainda detalhes da proposta de regulação na relação com outros blocos. Dilma, no entanto, defendeu ainda uma aproximação maior com os demais países em desenvolvimento da África e da Ásia, e um incremento no comércio Sul-Sul.

Tudo o que sabemos sobre:
Mercosulimportaçãocomérciocúpula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.