Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Dilma quer que Brics levem ao G-20 críticas à política expansionista

Segundo a presidente, emergentes devem exigir que países ricos tomem medidas efetivas para garantir a retomada da economia mundial

Tânia Monteiro, enviada especial,

30 de março de 2012 | 12h04

A presidente Dilma Rousseff afirmou em seminário para cerca de 300 empresários brasileiros e indianos, que os países que integram os Brics - Brasil, Índia, Rússia, China e África do Sul - onde está concentrado o principal crescimento da economia do mundo, precisam levar "uma forte mensagem de coesão política" para a reunião de cúpula do G-20, em junho, no México.

Segundo a presidente, os países emergentes e particularmente Brasil e Índia, devem usar a oportunidade para criticar as políticas expansionistas dos países ricos e exigir deles que "tomem medidas efetivas para garantir a retomada da economia mundial".

No discurso, Dilma voltou a pedir a reforma nos organismos internacionais de crédito, como Banco Mundial e FMI, com o aumento da participação dos emergentes em suas decisões, e no Conselho de Segurança da ONU , que, segundo ela é "carente de legitimidade e eficácia".

Para a presidente, Brasil e Índia têm "sólidas credenciais para lutar contra os efeitos das políticas monetárias expansionistas do mundo desenvolvido, que não têm tomado as providências necessárias para garantir a expansão de suas economias". Ela reconhece que já houve uma melhora na situação da crise que poderia ter sido mais aguda, mas reitera que são imprescindíveis medidas para garantir o crescimento para reverter a situação.

Dilma acrescentou que, embora a crise não tenha sido criada pelos países em desenvolvimento, os emergentes sofreram com o efeito dela, "tendo as nossas economias sofrido processo de desaceleração econômica derivada deste cenário internacional".

Depois de ressaltar o "enorme e inquestionável potencial" de perspectivas de ampliação dos negócios entre Brasil e Índia, que deve crescer de US$ 9,2 bilhões de hoje, para US$ 15 bilhões até 2015, Dilma lembrou que os dois países asseguraram seus crescimentos com ampliação do mercado interno.

A presidente desafiou os empresários, afirmando que apesar de o crescimento do comércio entre os dois países ter sido de 20%, de 2010 para 2011,ainda é muito pouco, diante do potencial. O comercio hoje lembrou, está muito concentrado em petróleo e seus derivados e "precisa diversificar".

Dilma endossou as palavras do ministro de Comércio indiano, Sharma Annad, de que este é o século dos Brics.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffBricsemergentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • O Pix é seguro? Veja dicas de especialistas sobre o sistema de pagamentos
  • 13º salário: quem tem direito, datas e como a pandemia pode afetar o cálculo
  • Renda básica: o que é, quais os objetivos e efeitos e onde é aplicada

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.