Dilma: royalties de pré-sal terão de ser discutidos

A ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, defendeu hoje que a distribuição dos royalties (compensação financeira devida ao Estado pelas empresa) relativos aos futuros recursos do petróleo descoberto em águas profundas e ultraprofundas, na camada do pré-sal, não poderão ocorrer nos moldes atualmente em vigor no País. "Não queremos tirar royalties de ninguém, mas queremos discutir os recursos do pré-sal. A ambição do País tem de ser maior. Não pode ser uma distribuição tradicional porque mudou-se de patamar". Segundo Dilma, é preciso pensar nos recursos do pré-sal como instrumento de investimento em educação, por exemplo, como ocorre na Noruega. O pré-sal é uma camada de reservatórios que se encontram no subsolo do litoral do Espírito Santo a Santa Catarina, ao longo de 800 quilômetros, em lâmina d?água que varia entre 1,5 mil e 3 mil metros de profundidade e soterramento (área do subsolo marinho que terá de ser perfurada) entre 3 mil e 4 mil metros.Tupi é considerada um megacampo de petróleo, com um volume estimado entre 5 bilhões e 8 bilhões de barris. O óleo está em uma área muito profunda, sob uma camada de sal, abaixo do leito marinho.

JACQUELINE FARID, Agencia Estado

27 de junho de 2008 | 13h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.