Dilma se surpreende com termo ‘aventureiro’ para vencedor da BR-050

Presidente disse que o deságio de 42,38% do consórcio Planalto não ficou muito distante do 2º colocado

Fabrício de Castro, Ana Luísa Westphalen e Luana Pavani, da Agência Estado,

19 de setembro de 2013 | 15h21

A presidente Dilma Rousseff afirma ter se surpreendido ao ler "que o vencedor da BR-050 era ''aventureiro''". Em rápida conversa com jornalistas nesta quinta-feira, 17, Dilma disse que o deságio do consórcio vencedor, de 42,38%, não ficou muito distante do oferecido pelo segundo colocado ou demais participantes. "Vocês sabem quanto foi o (deságio) do segundo colocado?", questionou, completando que as propostas em segundo, terceiro e até quarto lugar tiveram deságio superior a 30%, sem citar porcentuais exatos.

A BR-050 foi leiloada na quarta, 18, em processo em que o vencedor foi o Consórcio Planalto, com proposta de deságio de 42,38% sobre a tarifa básica de R$ 0,07870 por quilômetro. O consórcio vencedor é formado pelas companhias Senpar, Construtora Estrutural, Construtora Kamilos, Engenharia e Comércio Bandeirantes, Greca Distribuidora de Asfaltos, Maqterra Transportes e Terraplenagem, TCL Tecnologia e Construções, Ellenco Construções e Vale do Rio Novo Engenharia e Construções. O grupo disputou com outros sete interessados.

Dilma também defendeu uma integração do governo, iniciativa privada e órgãos de fiscalização para que as obras no País sejam feitas com mais rapidez, sem perda de qualidade. "Temos de colocar como objetivo garantir maior eficiência e rapidez das obras, sem perder qualidade."

Dilma afirmou ainda que, em projetos de concessões, é preciso harmonizar três fatores: a rapidez das obras, a taxa de retorno e uma tarifa compatível. Segundo a presidente, é impossível querer uma taxa de retorno muito valorizada e uma tarifa muito baixa. "Há Estados que se recusam a pagar tarifa de pedágio", disse. Além disso, de acordo com Dilma, o governo não pode "fazer concessão e levar dez anos para fazer a obra".

A presidente declarou ainda que seu objetivo é viabilizar obras. "Quanto mais rápido o complexo industrial intermodal ficar pronto, melhor para o País", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
concessõesrodoviasDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.