Dilma: tudo indica que tendência é deflacionária

A presidente Dilma Rousseff avaliou hoje que "tudo indica que a tendência internacional é deflacionária". "Mais cedo ou mais tarde, essa característica vai ocorrer no mundo", disse a presidente em entrevista a jornalistas brasileiros em Nova York.

LISANDRA PARAGUASSU, ENVIADA ESPECIAL, Agencia Estado

22 de setembro de 2011 | 15h51

A presidente destacou a preocupação do governo com a inflação que, segundo ela, é uma preocupação "perene". "Sempre o nosso olhar está dividido entre olhar a inflação e ao mesmo tempo sustentar o crescimento", disse.

Quanto à volatilidade dos mercados, a presidente insistiu que o Brasil não tem a mesma situação. "Nós somos um país com endividamento muito baixo, temos as contas públicas em ordem, somos um país com elevada acumulação de reservas", disse lembrando ainda da regulação dos bancos brasileiros que, segundo ela, "é muito sólida".

"Sem sombra de dúvida, como ela (a crise) não é aguda, pode até se agudizar bastante, mas ela parece ter características sistêmicas, permanentes e isso significa uma economia, durante algum tempo, em recessão. O Brasil tem que se preparar cada vez mais para isso", disse a presidente.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilmacriseinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.