carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Dinâmicas da dívida

Não bastassem as atribulações da economia e as instabilidades políticas, realçadas pela marcha sem calendário prévio da Lava Jato, as hesitações do governo na formulação e execução do programa de ajuste fiscal potencializam incertezas e elevam tanto os custos quanto os prazos da retomada econômica. É nesse ambiente adverso que a hipótese do rebaixamento da nota de crédito soberano, com a perda do “grau de investimento”, ganha relevância. 

José Paulo Kupfer, O Estado de S. Paulo

08 de setembro de 2015 | 03h00

O financiamento de parte da dívida pública com aportes de investidores externos, o que já se antevê mais difícil e custoso, a partir da realocação de recursos globais depois do previsto reinício das altas dos juros, nos Estados Unidos, tenderia a ficar mais complicado. A eventual perda do “grau de investimento” implicaria, no curto prazo, em redução dos fluxos de recursos de fora para o mercado brasileiro e, com isso, uma sequência de efeitos negativos, a começar da alta do dólar e sua difusão para os índices de preços, levando a mais juros e mais recessão. 

Muitos já avaliam que a perda do “grau de investimento”, ainda conservado no último degrau, é agora uma questão de tempo. Um dos pontos que sustentam o diagnóstico sombrio remete à evolução recente do CDS de 10 anos - contrato financeiro que funciona como uma espécie de seguro contra calotes e que, por isso, é uma boa medida de risco de insolvência fiscal considerado pelo mercado. O CDS brasileiro descolou do mexicano e colou no da Turquia em 2013, mas agora, em 2015, deixou o título turco para trás. O detalhe esclarecedor é que o México tem “grau de investimento” e a Turquia já caiu para o “grau especulativo”.

Isso significa que, se a perda do “grau de investimento” ainda não foi decretada pelas agências de classificação de risco, o Brasil, para o mercado, já deixou escapar o “selo de bom pagador”. O mercado costuma “precificar” com antecedência possíveis ocorrências futuras, que nem sempre se confirmam - casos em que o próprio mercado promove ajustes, em movimentos que atendem pelo eufemismo de “realização” de lucros ou prejuízos.

É inegável que a evolução conturbada do ajuste fiscal, combinada com o peso da taxa de juros, sinaliza uma dinâmica desfavorável para a relação entre a dívida pública e o PIB, que é tido como indicador crítico no rol dos critérios a partir dos quais são classificados os riscos de crédito soberano. Mas, até para entender melhor o que está realmente em jogo nessa questão, vale a pena abrir o leque das alternativas.

Um exercício, elaborado pela consultoria LCA, mostra resultados interessantes. As simulações levaram em conta, separadas e em conjunto, as hipóteses da reversão do déficit primário de 0,5% do PIB em 2016 para o superávit de 0,7% do PIB que havia sido definido em julho, assim como a revisão dos resultados do PIB em 2012 e 2013, que será divulgada em dezembro, juntamente com o número do terceiro trimestre e deve elevar o PIB, reduzindo, portanto, a relação dívida/PIB. Supõem ainda que o BNDES começaria a pagar sua dívida com o Tesouro em 2016 - e não em 2020, como está programado - e que o Banco Central zeraria, gradativamente, seu estoque de swaps cambiais com a venda de parte das reservas internacionais. São fatores que oneram a dívida pública bruta.

A conclusão das simulações é de que a trajetória da dívida pode atender a outras dinâmicas antes de um inevitável “downgrade”. Com todas as hipóteses benignas combinadas, a relação dívida bruta/PIB chegaria, no máximo, a 63% do PIB em 2016, recuando para menos de 60% já em 2018. Se for verdade que o sinal vermelho da perda do “grau de investimento” acende quando a dívida bruta se aproxima de 70% do PIB, nesse caso, o risco se configuraria bastante baixo. Na pior combinação de hipóteses, de outro lado, a dívida alcançaria 68% do PIB em 2016/2017. Antes que perguntem: não foram consideradas as hipóteses da saída do ministro Joaquim Levy ou da presidente Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.