Diplomacia inconsistente

No comércio internacional há países que assumem o papel de locomotivas e uma grande maioria que se contenta à condição de vagões. Locomotivas geram novas dinâmicas mundiais, produzem conhecimento e inovação, apresentam altos níveis de produtividade e difusão do que produzem, seja na indústria, serviços ou agricultura moderna. Vagões, desde os tempos coloniais, se acomodaram a ficar atrelados à capacidade de tração de certas locomotivas ou se condenaram a essa posição. Há ainda os que se debatem em contradições e dúvidas quanto a se acomodarem de forma oportunista à locomotiva do momento ou ganhar alguma condição de também tracionar vagões.

JOSEF BARAT, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2014 | 02h05

O Brasil se enquadra bem nesse último perfil. Tem demonstrado capacidade de gerar novas dinâmicas e desbravar oportunidades no agronegócio e em alguns segmentos industriais e de serviços, mas também convive com a velha sedução pela dependência. Uma balança comercial de tipo colonial é a que temos com a China. É extremamente atraente para preservar a condição de exportador de bens primários (com baixos níveis de processamento) e importador de bens industriais. Bem ao gosto de empresários atrasados e governos acomodados à visão de que isso será bom enquanto durar.

Já nosso comércio com os EUA, mais equânime e equilibrado em termos de trocas de bens agrícolas, industriais e serviços, sempre é mal visto pelos ideólogos "progressistas" que, na verdade, fazem o velho jogo da dependência. E quando a ideologia se sobrepõe ao pragmatismo, os resultados são incertos e medíocres. Cabe lembrar que os modernos trens unitários, com grande extensão de vagões, são tracionados por três ou até quatro locomotivas. Assim, o Tratado Transpacífico, atualmente em negociação, reunirá EUA, Japão, Canadá e Austrália, além de, entre outros, Nova Zelândia, Chile, México e Peru. Por outro lado, já está em negociação o Acordo Transatlântico, entre EUA e a União Europeia. Os países envolvidos nesses acordos responderão por mais de 2/3 do PIB mundial. Esses grandes acordos comerciais consolidarão novas regras, englobando padrões para produtos industriais e serviços, especificações de bens de alta tecnologia, acesso a compras do governo e barreiras fitossanitárias.

Lamentavelmente, o "lado locomotiva" do Brasil só se manifestou na persistência em crer que lidera o Mercosul e na suposta vantagem de negociar "em bloco" com as grandes alianças econômicas. O problema é que nesse bloco o Brasil tem de carregar vagões que são verdadeiras "malas sem alça": Argentina, Venezuela e Bolívia. A primeira, além das constantes mudanças nos procedimentos no comércio com o Brasil, vem colocando sucessivos empecilhos à abertura de mercado para o acordo com a União Europeia. Quanto à segunda mala, empresários brasileiros não recebem há meses pagamentos das suas exportações, o que não surpreende, pois o país não tem como pagar. Quanto à terceira, a ocupação de uma refinaria da Petrobrás foi um fato que expressou por si mesmo a impossibilidade de relações comerciais normais. Consideradas as barreiras impostas e a concorrência direta da China, a liderança do Brasil no Mercosul está deixando de ser relevante.

Por todas essas razões, foi realista e pragmática a proposta da Confederação Nacional da Indústria para que o Brasil firme um acordo de livre-comércio com os EUA e deixe em segundo plano o Mercosul. Com isso, teria mais liberdade para avançar em outros tratados globais importantes. É sabido que os EUA compram principalmente manufaturados do Brasil e é chegada a hora de discutir seriamente a abertura de mercado com aquele país. Não são medidas protecionistas nem visões acomodadas que garantirão competitividade à indústria brasileira, mas, sim, a sua maior integração às cadeias produtivas mundiais, evidentemente com níveis mais elevados de produtividade e inovação. Infelizmente, a postura da diplomacia brasileira continua inconsistente quanto à tomada de decisões estratégicas importantes e complexas.

JOSEF BARAT, ECONOMISTA, CONSULTOR DE ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS, É COORDENADOR DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE SÃO PAULO

Tudo o que sabemos sobre:
JOSEF BARAT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.