Diplomata diz que Embraer ainda aguarda para fazer jato na China

O embaixador do Brasil em Pequim, Clodoaldo Hugueney, disse ontem que o governo brasileiro espera "há algum tempo" uma decisão da China sobre o pedido da Embraer para produzir no país asiático o avião E-190, de até 120 lugares: "É importante que possamos encontrar uma solução comum para isso, porque esse é um produto muito significativo na nossa relação econômico-comercial. Aviões são o único item de alta tecnologia em nossas exportações para a China."

CLÁUDIA TREVISAN, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2010 | 00h00

Se o sinal verde não for dado, a fábrica da Embraer em associação com a chinesa AVIC deverá ser fechada no próximo ano, depois das entregas das últimas encomendas do ERJ-145, com capacidade para 50 passageiros.

As exportações de aviões do Brasil para a China somaram US$ 241,6 milhões nos primeiros nove meses de 2010, o que representou pouco mais de 1% dos embarques totais de US$ 23,19 bilhões para o país asiático no mesmo período.

Essas vendas envolvem jatos E-190 fabricados pela Embraer no Brasil e exportados para clientes na China. Com o pedido ao governo chinês, a companhia brasileira pretende produzir as aeronaves no país asiático, na fábrica que possui na cidade de Harbin, próxima da fronteira com a Rússia. "Se a decisão do governo chinês for a de não produzir o E-190 aqui, nós só poderemos exportar o avião do Brasil, porque a demanda existe", observou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.