Dirceu diz que BC não manda na política de desenvolvimento

O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, disse hoje que "a política de desenvolvimento do governo do presidente Lula não é a política do Banco Central, não é a política monetária". Numa analogia, Dirceu disse que não podemos confundir "a árvore com a floresta".Sobre a nova investida do presidente em exercício, José Alencar, contra os altos juros, Dirceu não quis comentar. "Primeiro vou falar com ele por telefone e ver em que contexto que ele fez esta declaração", disse. O ministro afirmou que soube dos comentários de Alencar pelos jornalistas. "Ele está no exercício da Presidência da República e eu não quero comentar declaração sem falar com ele", afirmou. "Ele é presidente em exercício e eu sou ministro dele".Dirceu citou as ações que o governo desencadeou nos primeiros cinco meses de administração para o desenvolvimento, como a reorganização dos modelo energéticos, de telecomunicações, de parcerias entre agentes públicos e privados e de ação dos bancos públicos ? BNDES e Banco do Brasil. "Isso vai viabilizar a retomada dos investimentos na infra-estrutura do País", afirmou. Para ele, essas ações reduzem o custo do País e ajudam a diminuir os juros.O ministro disse ainda que a política externa está criando "condições para o País se desenvolver também, porque está abrindo novos mercados e está trazendo investimentos". Diante disso, Dirceu considerou que o Brasil "não pode ficar girando em volta da questão se os juros sobem ou descem, ainda que isso seja importantíssimo".O ministro está em Porto Alegre para participar de um debate esta noite sobre o governo Lula e as reformas. Antes disso, ele terá uma audiência com o governador Germano Rigotto (PMDB).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.