Dirceu evita comentar juros: "Copom? o que é isso?"

Ao desembarcar em Manaus, na madrugada desta quarta-feira, para cumprir uma agenda ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Manaus, o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, evitou dar novas declarações que pudessem criar mais polêmica sobre a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) que começou na tarde de hoje. "Copom? O que é isso?", brincou o ministro, sem querer repetir o gesto da última segunda-feira, quando disse que não acredita que haja pressão inflacionária que possa justificar a elevação das taxas de juros e que podia defender a queda dos juros porque não era robô. "Não posso falar disso uns três anos agora", declarou Dirceu, tentando desconversar e evitar responder perguntas sobre a questão. "Isto é com o Palocci", respondeu Dirceu, bem humorado, quando os jornalistas lhe pediram que fizesse uma previsão para o final da reunião do Copom desta quarta-feira. Os ministros que acompanhavam Lula na comitiva presidencial evitaram fazer comentários sobre a política econômica, assim como o presidente. Na manhã desta quarta-feira, Lula atrasou sua agenda por mais de uma hora para se reunir com Dirceu e outros auxiliares mais próximos na suíte que ocupava no hotel Tropical, em Manaus, para fazer um balanço do dia. Destaque para bons resultados da economia Em seu discurso para os empresários brasileiros e venezuelanos, Lula limitou-se a comemorar, mais uma vez, os bons resultados da economia. Dirceu chegou às 2h40 da manhã, hora de Manaus, 1h40, hora de Brasília e alegou que não podia conversar mais porque estava muito cansado. Além de Dirceu, acompanham Lula, os ministros do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, da Integração, Ciro Gomes, das Relações Exteriores, Celso Amorim, dos Transportes, da Ciência e Tecnologia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.