Dirceu garante que não atacará governo; dólar amplia queda

O dólar comercial amplia a queda refletindo certo alívio do mercado até o momento com o depoimento do deputado José Dirceu ao Conselho de Ética da Câmara. Dirceu negou que vá renunciar ao seu mandato e acaba de afirmar que não vai se defender atacando o governo. Por volta das 16h, o dólar comercial bateu na cotação mínima de R$ 2,3390, com queda de 1,18%. "Ninguém esperava que Dirceu envolvesse o governo no suposto esquema do mensalão denunciado pelo deputado Roberto Jefferson", afirmou um operador, citando ainda a firme alta da Bolsa e a queda forte do risco Brasil - taxa que mede a desconfiança do investidor estrangeiro em relação à capacidade de pagamento da dívida do País. Também por volta das 16h, o risco País recuava 8 pontos para 393 pontos base - a mínima foi de 392 pontos base. Há fluxo de entrada positivo de dólares para o País, mas o câmbio reage especialmente à avaliação do mercado de que a crise política pode estar se esvaziando. O fato de o Tesouro Nacional estar fora do mercado de câmbio - sem comprar dólares no mercado - também estimula vendas de moeda, disse outro profissional.No mercado de juros, os contratos pós-fixados (DI) com vencimento em janeiro de 2007 estava em 17,84% ao ano, ante fechamento ontem em 18,00%. A Bolsa subia 1,41%, para 26.668 pontos. Veja aqui mais informações sobre a crise política no Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.