Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Diretor da Yukos confirma que empresa está perto da concordata

A petrolífera russa Yukos está perto da concordata, afirmou seu principal executivo de finanças, Bruce Misamore, em coletiva. "A situação não pode se sustentar", disse ele. "Estamos tentando ao máximo manter os níveis de produção. Não tenho previsões. Estamos levando a companhia um dia após o outro, semanas após semana. Entendemos que isso não pode persistir."Misamore reiterou que a Yukos pretende produzir 86 a 87 milhões de toneladas de petróleo cru em 2004, o que equivale a cerca de 1,73 milhão de barris por dia. A empresa também decidiu abrir mão do pagamento de alguns impostos para honrar obrigações sobre exportação, segundo ele.Entretanto, ele afirmou que a empresa será "espremida" em 1º de outubro, quando os impostos sobre exportação serão elevados em um ambiente de preços decrescentes do petróleo no mercado mundial. A Rússia estabelece seu imposto baseando-se nos níveis médios do preço do petróleo cru com dois meses de atraso. "Isso vai piorar a situação", afirmou.O governo da Rússia exige da Yukos o pagamento de impostos atrasados, e ameaça vender a maior unidade de produção do grupo, a Yuganskneftegaz, para cobrir essas dívidas. O banco de investimentos Dresdner Kleinwort Wasserstein está avaliando a unidade. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

17 de setembro de 2004 | 11h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.