Diretor do FMI está confiante que testes da UE não vão esconder risco

Os testes são uma parte essencial de uma estratégia para criar uma nova estrutura internacional para a regulamentação e supervisão financeira, que estabelece as falhas que causaram a atual crise do crédito

Álvaro Campos, da Agência Estado,

23 de julho de 2010 | 12h53

O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, disse que está confiante de que os testes de estresse dos bancos europeus não vão tender a esconder riscos de dívidas soberanas. Hoje os mercados estão esperando os resultados dos testes realizados com grandes bancos na União Europeia, mas estão receosos de que os testes não revelem adequadamente a vulnerabilidade desses bancos à crise da dívida soberana.

Os testes são uma parte essencial de uma estratégia para criar uma nova estrutura internacional para a regulamentação e supervisão financeira, que estabelece as falhas que causaram a atual crise do crédito e a recessão econômica global.

Embora Strauss-Kahn tenha amplamente elogiado os esforços da Europa com os testes de estresse, ele mostrou uma preocupação de que os governos não estejam agindo rápido o suficiente para desenvolver uma nova estrutura global de regulamentação financeira. Ele avisou que a falta de coordenação entre governos e entre a opinião daqueles que têm a tarefa de elaborar as novas regras pode aumentar o risco de novas crises no futuro. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.