Diretor do Société é acusado de informação privilegiada

Ele vendeu o equivalente a 40,52 milhões de euros em ações do banco acima do valor de mercado

Hélo Barbosa, da Agência Estado, Agencia Estado

28 de janeiro de 2008 | 19h02

Robert Day, um dos diretores do banco francês Société Générale (SocGen) e presidente da Trust Company of the West, subsidiária da divisão Société Générale Asset Management, vendeu o equivalente a 40,52 milhões de euros (US$ 59,86 milhões) em ações do banco no dia 18 de janeiro a 90,04 euros por ação, segundo um documento revelado nesta segunda-feira, 28, pela Autoridade do Mercado Francês (AMF). As ações do banco fecharam hoje a 73,87 euros na Bolsa de Paris.Numa entrevista publicada sábado, o diretor-executivo do Société Générale, Daniel Bouton, disse que os sistemas do banco haviam descoberto uma negociação anômala no dia 18 de janeiro. Na última quinta-feira, o banco informou que uma "fraude" relacionada à atividade do operador Jérôme Kerviel resultara em uma perda de 4,9 bilhões de euros para o grupo, e anunciou uma baixa contábil adicional de 2,05 bilhões de euros de ativos ligados ao crédito de alto risco (subprime).Um documento apresentado pela AMF na manhã de hoje havia mostrado que em 9 de janeiro Day já vendera o equivalente a 85,7 milhões de euros em ações do Société Générale. Outros 9,6 milhões de euros foram vendidos pela Fundação Robert A. Day e pela Fundação Kelly Day.A AMF disse que foi informada pelo Société Générale que Day, cujo mandato na diretoria do banco termina em 2010, não tinha conhecimento prévio sobre a fraude de Kerviel quando vendeu as ações. No entanto, uma organização que representa os pequenos acionistas do banco deu entrada em um processo judicial, alegando informação privilegiada e manipulação do preço das ações.O Société Générale disse que "foram publicadas declarações pela Fundação Kelly Day relativas às operações de 9 e 10 de janeiro, e que foram comunicadas à AMF no dia 11". O banco acrescentou que "essas operações foram, além disso, levadas a cabo antes que a fraude fosse descoberta". As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.