Diretor do Unibanco pede ousadia ao Copom

Para os economistas que consideram que quanto maior a taxa de juros, maior o lucro dos bancos, o diretor de Tesouraria do Unibanco, Marco Antônio Sudano, causou uma surpresa. Em entrevista ao programa Conta Corrente, da Globo News, ele deixou claro que a queda dos juros interessa também ao setor financeiro, pois será um motor de aquecimento da economia. E, neste sentido, pediu ousadia ao Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), em sua reunião da próxima semana, defendendo uma queda na Selic (a taxa de juros básicos) acima de 2%.Mas, prudente, Sudano acredita que a redução ficará entre 1,5% e 2%. "Eu acho que o Banco Central, nos últimos dois meses, tem sido bastante conservador, e está colhendo frutos disso, já que a inflação vem caindo, na média, mais do que a maioria dos economistas, tanto do sistema financeiro quanto das empresas, estava esperando.Eu acho que tem condições de o Banco Central ser um pouco mais arrojado na queda dos juros. A gente imagina alguma coisa entre 1,5% e 2%. Evidentemente que temos espaço para ganhar um pouco mais. Mas dado o histórico que o Banco Central e o governo Lula têm apresentado, a gente imagina que 1,5% e 2% será uma coisa mais razoável de se esperar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.