Divulgação
Divulgação

Diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional pede demissão

Luiz Fernando Vianna alegou motivos pessoais para o pedido; nomeação de sucessor é prerrogativa do Presidente da República

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

22 Março 2018 | 18h56

O diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Luiz Fernando Vianna, deixará o cargo no dia 5 de abril, informou a empresa responsável pelo empreendimento em nota. Ele alegou motivos pessoais para o desligamento. Em entrevista ao Estadão/Broadcast o deputado paranaense Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) informou que Vianna foi à Brasília nesta quinta-feira, 22, e que deve trabalhar em um fundo de investimentos.

A hidrelétrica binacional, uma parceria entre o Brasil e o Paraguai, é administrada no Brasil pela estatal Eletrobras. A usina, com 14 gigawatts em capacidade instalada, é a maior geradora de energia do mundo.

+ Capacidade instalada de energia eólica encosta na de Itaipu

A nomeação ou substituição de diretores em Itaipu é uma prerrogativa da Presidência da República. A hidrelétrica tem uma diretoria formada por profissionais brasileiros e paraguaios, sendo cada equipe nomeada pelo governo do respectivo país.

+ Volume de chuvas acima da média deve manter bandeira verde durante 1º trimestre

A agência de risco Fitch afirmou, nesta quinta-feira, 22, o Rating Nacional de Longo Prazo 'AA+(bra)' da Itaipu Binacional. Ao mesmo tempo, a agência revisou a Perspectiva do rating para Estável, de Negativa.  "O rating da Itaipu reflete o forte vínculo do perfil de crédito da companhia com o do Brasil. O País tem sido responsável, historicamente, pela aquisição em torno de 93% da energia produzida pela empresa e garante, por meio do Tesouro Nacional, 94% da dívida da companhia", destacou a Fitch.

Mais conteúdo sobre:
Itaipu Eletrobrás Luiz Fernando Vianna

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.