Rodrigo Abd/AP
Rodrigo Abd/AP

Diretora-gerente do FMI aponta incertezas crescentes na economia global

Christine Lagarde citou tensão comercial, volatilidade nos mercados e geopolítica como ameaças ao crescimento global

Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

15 Março 2018 | 14h25

 A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, apontou em texto publicado no site da instituição nesta quinta-feira o que ela classificou como três incertezas crescentes à economia global: a tensão comercial, a volatilidade nos mercados e a geopolítica.

No texto, Lagarde aponta as prioridades que a instituição vai levar à reunião do G-20 na próxima semana na Argentina. "Quando nos encontrarmos em Buenos Aires, nosso foco estará sobre as políticas necessárias para proteger o impulso de crescimento global em relação aos riscos negativos e reforçar o crescimento no futuro", comentou.

+ Governo aguarda publicação das tarifas ao aço para pedir recurso aos EUA, afirma ministro

"Mas mesmo que o sol ainda brilhe na economia global, há mais nuvens no horizonte. Proponho reflexão sobre as preocupações crescentes com as tensões comerciais, o recente aumento da volatilidade nos mercados financeiros e a geopolítica mais incerta."

Na avaliação de Lagarde, o FMI e os membros do G-20 devem trabalhar para reduzir as resistências ao comércio. "Não devemos criar obstáculos", afirmou.

+ Decisão de Donald Trump põe 5 mil metalúrgicos em alerta

Para ela, há passos concretos que as autoridades devem tomar para garantir que o intercâmbio comercial permaneça forte. Para ela, eles devem evitar o protecionismo, proteger contra riscos financeiros, intensificar as reformas econômicas, fortalecer a cooperação internacional e promover um crescimento mais inclusivo.

+ Risco maior é ação dos Bancos Centrais, diz Meirelles

Sobre este último tópico, Lagarde citou o Brasil, ao lado da Austrália, Alemanha, Japão e Reino Unido, como nações que fizeram "bons progressos" para aumentar a força de trabalho feminina na economia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.