Estadão
Estadão

Diretoria da ANTT aprova suspensão da nova tabela de fretes

Com a decisão, a tabela anterior, referente ao ano passado, volta a vigorar

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2019 | 19h23

A diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) acaba de aprovar a suspensão da nova tabela de fretes, até que seja resolvido o “impasse com o setor”. A decisão foi aprovada por unanimidade nesta tarde, após o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, informar, pela manhã, que ela seria revogada. Com a decisão, a tabela anterior, referente ao ano passado, volta a vigorar. Uma nova reunião com os caminhoneiros está prevista para quarta-feira, 24.

Publicada na quinta-feira passada, 18, a nova tabela para cálculo do frete mínimo foi criticada pelos caminhoneiros, que ameaçavam iniciar uma greve - a exemplo do que ocorreu em maio no ano passado. A resolução revogada nesta segunda-feira, 22, tinha entrado em vigor no sábado, 20. 

Ela foi criada em conjunto com o grupo de pesquisa e extensão em logística agroindustrial da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo, e estabeleceu regras gerais, metodologia e coeficientes dos pisos mínimos referentes ao quilômetro rodado, por eixo carregado.

A suspensão da nova tabela, segundo a diretoria da ANTT, considerou “notícias iminentes de greve de caminhoneiros” e a “insatisfação de parcela significativa” da categoria. O órgão regulador levou em conta a necessidade de “evitar dano irreparável ou de difícil reparação”, como “prejuízos econômicos em paralisações” e a redução da “instabilidade no setor de cargas”.

“A agência reitera o compromisso com todos os envolvidos de manter um diálogo constante, a fim de buscar um consenso no setor de transporte rodoviário de cargas, e pretende ampliar o debate sobre a matéria”, informou a ANTT.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.