Diretoria da Unimed-SP afasta presidente

O presidente da Unimed São Paulo - Cooperativa de Trabalho Médico -, Cid Carvalhaes, foi afastado pela diretoria da cooperativa na noite de ontem. O cargo passa a ser ocupado pelo vice-presidente da entidade, Jack Behara. Por meio da Assessoria de Imprensa da empresa, Behara informou que a saída de Cid Carvalhaes foi uma decisão do conselho administrativo e que essa mudança de cargos faz parte de uma reestruturação administrativa da Unimed-SP.De seu lado, Carvalhaes afirmou que a diretoria da empresa tomou a decisão "sem razões formais" e que sua saída da empresa é reflexo de uma investigação que estava fazendo sobre possíveis contratos superfaturados aprovados pela diretoria. "Recebi denúncias que alguns diretores assinaram contratos que estavam sendo lesivos à cooperativa. As denúncias eram de superfaturamento nos contratos de negociações com fornecedores. Resolvi que iria investigar com rigor e agora fui afastado", conta Carvalhaes.Carvalhaes, atual presidente da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, também acredita que outro motivo para seu afastamento foi a não aceitação de um contrato com a empresa Pluricorp S.A, consultoria especializada em recuperação de empresas com dívidas. "O contrato que a diretoria pretende fechar com esta empresa é lesivo à Unimed-SP. As cláusulas prevêem uma série de benefícios, múltiplos poderes e privilégios de exclusividade a Pluricorp, por isso não assinei", explica. A Assessoria de Imprensa da Unimed-SP explicou que o contrato com a empresa Pluricop S.A ainda está em estudo e não foi efetivado.Dívida de R$ 70 milhõesA dívida estimada da Unimed-SP é de R$ 70 milhões. A cooperativa está sob direção fiscal e técnica da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), pois passa por problemas financeiros graves. Carvalhaes afirma que a empresa possa sofrer uma liquidação extrajudicial a qualquer momento. "A situação financeira da Unimed-SP é frágil e a cooperativa pode ter sua carteira liquidada a qualquer momento", afirma o ex-presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.