Diretoria vai ter de explicar como nunca detectou desvio bilionário

Diretoria vai ter de explicar como nunca detectou desvio bilionário

Apresentação dos resultados trimestrais está marcada para hoje; há apreensão quanto a registro de baixa contábil

O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2014 | 02h01

A teleconferência sobre os resultados trimestrais da Petrobrás, marcada para hoje, deverá ser comandada por Almir Barbassa, diretor financeiro desde 2006. Ele tem a missão de justificar aos investidores como nunca detectou o desvio de cifras bilionárias da companhia. Há apreensão sobre o registro de uma "baixa contábil" no balanço financeiro do trimestre, quando ele finalmente for apresentado, em dezembro. Só então o mercado saberá o impacto da alta do dólar sobre o endividamento da estatal, hoje acima de US$ 100 bilhões.

Quem também terá papel central na apresentação, e no futuro da companhia, é o diretor de exploração e produção, José Formigli. A área operacional é o único pilar que ainda sustenta a Petrobrás. Entre julho e setembro, a companhia atingiu média de 2,09 milhões de barris produzidos por dia, alta de 5% ante o trimestre anterior. A produção de gás subiu 7%.

A meta da companhia é ampliar em 7,5% ante 2013 e, apesar da expansão contínua nos últimos nove meses, nada está garantido. São necessários mais 287 mil barris de óleo por dia para alcançar o objetivo. Até dezembro, a estatal ainda receberá mais uma plataforma. Outras quatro foram conectadas desde janeiro e ainda podem ampliar a capacidade de produção, com novos poços.

A melhora vem, sobretudo, do pré-sal. No dia 28 de outubro, foram registrados 640 mil barris por dia, e os primeiros testes nas áreas de Libra e Tartaruga Verde darão fôlego até o final do ano.

Outro ponto positivo do balanço operacional é a alta de 4% na produção de derivados, em relação a 2013. A carga processada chegou a 2,138 milhões de bpd. Segundo o comunicado, a estatal está utilizando 100% da capacidade das refinarias, o que preocupa entidades sindicais. O parque antigo dá sinais de esgotamento, mesmo com recentes obras de melhorias realizadas - os contratos dessas obras foram os alvos do esquema de desvios na estatal.

O resultado reforça a pressão para o início da produção na Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco. A previsão era a primeira semana de novembro, mas a companhia não entregou todos os documentos para autorização da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP). Mais um sinal da "paralisia" em tempos de crise, como relatam funcionários. A agência, agora, analisa a papelada.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrásbalançocorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.