Disputa com carro flex atrasou definição de Lula

Presidente entendeu, num primeiro momento, que o estímulo ao carro elétrico prejudicaria a competitividade dos veículos bicombustíveis

Marta Salomon, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2010 | 00h00

A definição de Lula sobre incentivos aos carros elétricos enguiçou há pouco mais de dois meses porque o presidente entendeu, num primeiro momento, que o estímulo à nova opção tecnológica poderia tirar a competitividade dos veículos flex.

Produtores de álcool e parte das montadoras viram no pacote de estímulo aos carros elétricos que seria anunciado em maio um risco de o projeto dos flex ser abandonado. Nos primeiros sete anos do governo Lula, foram vendidos 9,8 milhões de veículos flex.

Dias depois de a cerimônia do anúncio dos incentivos aos carros elétricos ser suspensa, Lula encampou esse temor: "Hoje, quase 100% dos carros vendidos no Brasil são flex", ponderou o presidente. "É carro elétrico para cá, carro elétrico para lá, mas não se sabe ainda se alguém vai produzir em grande escala."

Em dois meses, a defesa dos flex ganhou espaço no governo. O pacote de estímulo aos elétricos mudou para incorporar uma ênfase aos carros flex, na forma de possível redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) no futuro, associada a um selo de eficiência dos motores.

Aquecimento global. Defensores dos investimentos na nova tecnologia dentro do governo alegam que não se trata em escolher agora entre os carros elétricos e os flex. Insistem em que é uma questão de mercado: o País ocupa hoje a sexta colocação entre os produtores de veículos e é o quinto maior mercado consumidor. Por isso, não pode ficar fora de uma inovação tecnológica radical do setor automotivo, movida pela preocupação com o aquecimento global.

Eles alegam que os elétricos, possivelmente associados a motores a álcool combustível ou biodiesel, são mais eficientes e emitem menos poluição. Agora aguardam vaga na agenda de Lula para uma definição do presidente. Os mais céticos acham que a definição pode até ficar para depois da eleição.

Intitulado Estratégia de Implantação do Carro Elétrico no Brasil, livro publicado neste ano sobre o impacto da inovação tecnológica no setor automobilístico reúne artigos de personagens importantes da discussão no governo, como o ministro de Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, e o presidente do BNDES, Luciano Coutinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.