Disputa pelo mercado de carros elétricos se acirra

Disputa pelo mercado de carros elétricos se acirra

Investimentos previstos pelas montadoras já passam de US$ 250 bilhões até 2030

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2021 | 05h00
Atualizado 04 de outubro de 2021 | 17h37

Uma nova disputa entre gigantes ocorre no mundo automotivo, desta vez pela liderança global ou regional do mercado de carros elétricos. As legislações com prazos para o fim da produção de veículos a combustão em vários países, obrigando montadoras a desenvolverem produtos com zero emissão, abriram uma frente de investimentos que passa de US$ 250 bilhões de 2025 a 2030, conforme programas já anunciados.

Nessa briga, cada um dos competidores chama para si a responsabilidade de ser número um do mercado, também de olho no que vem lá na frente, que são os modelos autônomos. “A Ford vai liderar a transição da América para os veículos elétricos, dando início a uma nova era de fabricação limpa e neutra em carbono”, diz Bill Ford, presidente executivo da Ford.

A declaração foi feita na semana passada, quando a Ford anunciou a construção, nos EUA, de dois complexos com uma fábrica para as picapes elétricas Série F e três para baterias de íons de lítio. O projeto inclui ainda parque de fornecedores e unidade de reciclagem de baterias. Vai custar US$ 11,4 bilhões.

Segundo a Ford, é o maior investimento em veículos elétricos feito de uma só vez por empresa do setor automotivo americano. A previsão é de gerar 11 mil empregos nos megapolos no Tennessee e em Kentucky, que entrarão em atividade a partir de 2025, em parceria com a empresa coreana SK Innovation.

O projeto é parte do investimento de mais de US$ 30 bilhões da Ford em veículos eletrificados. A empresa trabalha para que de 40% a 50% de seu volume global de veículos seja totalmente elétrico em dez anos.

Já a General Motors programou aportes de US$ 35 bilhões em carros elétricos e autônomos, e afirma que seu objetivo é ser líder na América do Norte em carros eletrificados e líder mundial em tecnologias de baterias e células de combustível.

“Estamos investindo em um plano integrado que garanta à GM a liderança do mercado na transformação para um futuro mais sustentável”, afirma a presidente mundial da companhia, Mary Barra. O grupo projeta vendas globais de 1 milhão de carros elétricos em cinco anos. Hoje, quem lidera o mercado americano é a Tesla, que vai investir US$ 12 bilhões nos próximos anos.

“A transição do governo Trump para o governo Biden foi o impulso que faltava para os EUA embarcarem nesse movimento, até então mais forte na Europa e na Ásia”, diz Ricardo Bacellar, sócio da KPMG

Custo total

O grupo alemão Volkswagen vai investir US$ 41 bilhões em carros elétricos, de um total de US$ 86 bilhões previstos em mobilidade elétrica, tecnologia híbrida e digitalização. O presidente mundial, Herbert Diess, afirma que a empresa já é líder global com suas plataformas elétricas. “Nos próximos anos será crucial alcançar também posição de liderança em software automotivo, para atender a necessidades de mobilidade individual, sustentável e conectada no futuro.” O grupo fará 75 lançamentos de carros eletrificados até 2029 e está construindo grande complexo na China.

A Stellantis, dona da Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën, também está no páreo, e reservou US$ 35 bilhões para eletrificação de veículos e software. O objetivo é que, em 2025, 98% de suas linhas sejam de modelos elétricos e híbridos plug-in.

Em 2030, o grupo espera que 70% de suas vendas na Europa e 40% nos EUA sejam de carros eletrificados. “Tudo isto mantendo uma margem de lucro de dois dígitos”, diz Carlos Tavares, presidente global da Stellantis. O grupo terá três fábricas de baterias na Europa e duas nos EUA. Segundo estudos, em 2026 o custo de uso do carro elétrico será igual ao do a combustão. 

A meta da Renault é atingir o mix mais verde do mercado europeu em 2025, com 65% de carros eletrificados no total de vendas e 90% totalmente elétricos em 2030, informa o presidente global Luca De Meo. O grupo francês vai investir US$ 12 bilhões em eletrificação, com foco em baratear o custo da bateria. “Queremos fazer com que o carro elétrico se torne popular

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Com falta de chips, fabricantes de veículos investem em bateria própria

Além da escassez de semicondutores, fornecimento de baterias também está restrito a poucos fabricantes independentes, muitos deles de pequeno porte e instalados na Ásia

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2021 | 17h11

Quase todas as grandes fabricantes de veículos estão investindo na fabricação própria de baterias, boa parte em parcerias com empresas do ramo. Para Ricardo Bacellar, da KPMG, isso tem a ver com o tema atual da falta de semicondutores.

“A bateria é um elemento absolutamente crítico para um carro elétrico, e as empresas estão internalizando a produção porque não querem correr o risco de quebra na cadeia de fornecimento, como está ocorrendo com os semicondutores”, afirma o consultor. Hoje, o fornecimento de baterias também está restrito a poucos fabricantes independentes, muitos deles de pequeno porte e instalados na Ásia.

A falta de semicondutores é um dos impactos da pandemia de covid-19, que obrigou fábricas a fecharem as portas por alguns meses para evitar contaminações. Ao retomarem as atividades, se depararam com demanda inesperada e oferta restrita.

Outra parte do problema veio justamente da concentração de fabricantes na Ásia, que coincidiu também com um incêndio em uma das maiores fábricas de semicondutores e outros problemas enfrentados por empresas da Malásia, como o recente lockdown no país por causa do aumento de casos de covid provocados pela variante Delta.

No investimento total de mais de US$ 250 bilhões previstos pelo setor, há vários projetos de fábricas de baterias, como o recém-anunciado pela Ford. Parcela do valor também deve ser destinada a projetos de pós-venda e de serviços para carros elétricos, mercado ainda desconhecido pela maioria das empresas, pois ainda não há volume suficiente de modelos eletrificados para as empresas entenderem como vai funcionar a prestação desses serviços, assim como o comércio de modelos usados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.