finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Distribuidoras criticam novo indicador da Aneel

Empresas dizem que já indenizam consumidores quando há infração de índices de qualidade

KARLA MENDES / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

19 de outubro de 2011 | 03h04

As distribuidoras de energia criticaram a decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de criar um novo indicador de qualidade que pode reduzir os reajustes de tarifas. Para o presidente da Associação Brasileira dos Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Fonseca Leite, o mecanismo pune duplamente as empresas.

Atualmente, ao infringirem os índices de qualidade da Aneel, as concessionárias têm de pagar compensações aos consumidores. Só no primeiro semestre, foram R$ 163,77 milhões pagos em indenizações. A adoção do novo indicador resultaria em outra perda para as empresas.

A aplicação do mecanismo também contraria, segundo Leite, as regras dos contratos de concessão. "O indicador será definido em cada reajuste. Pelo contrato de concessão, teria de ser estabelecido no início do ciclo." O ciclo de revisão tarifária fixa, de cinco em cinco anos, as regras que serão aplicadas nos reajustes anuais de preços.

Para Julião Coelho, diretor da Aneel, a importância do novo indicador é criar uma correlação inédita entre a qualidade dos serviços prestados pelas distribuidoras e o preço cobrado pelos serviços, algo que os atuais índices não conseguem fazer.

Críticas. O novo indicador é apenas mais um ponto de atrito entre a agência reguladora e as empresas do setor elétrico. As distribuidoras não poupam críticas às regras, em estudo pela Aneel, que vão balizar os reajustes das tarifas elétricas nos próximos cinco anos. As companhias alegam que a implantação dos parâmetros propostos provocará uma queda significativa na geração de caixa, comprometendo assim investimentos futuros.

Os principais "pontos da discórdia" são a redução da taxa de remuneração dos ativos das distribuidoras - conhecida como WACC - de 9,95% para 7,15% e a elevação do índice que repassa aos consumidores os ganhos de produtividade das empresas, o chamado Fator X, de 0,4% para 3,3%. Cálculos da Abradee estimam que a mudança desses dois parâmetros reduziria os investimentos de R$ 7 bilhões anuais para cerca de R$ 3 bilhões.

Sem consenso. A mudança dos parâmetros de reajuste é tão polêmica que não há consenso nem entre pesquisadores de renomadas universidades. O professor Nivalde de Castro e os pesquisadores Roberto Brandão e Luiz Ozório, do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (Gesel) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, divulgaram um estudo em junho em que afirmam que as mudanças propostas pela Aneel não devem diminuir a capacidade de investir das distribuidoras.

A pedido da Abradee, os professores Vinícius Carrasco e João Manoel Pinho de Mello, do Departamento de Economia da PUC-Rio, analisaram o estudo e rebateram a tese apresentada. Para os pesquisadores do Gesel, as empresas teriam apenas de diminuir o montante pago aos acionistas para bancar os investimentos futuros.

O professor Mello afirma que os parâmetros do Gesel não são suficientes para calcular a lucratividade das distribuidoras e permitir uma redução para compensar os consumidores sem comprometer investimentos. "A Aneel está correndo um risco muito grande ao apertar a base de lucro das empresas. Todo mundo vai gostar de pagar uma tarifa mais barata, mas no futuro podemos pagar um preço bem mais alto."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.