Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Distribuidoras da Eletrobrás são "inviáveis", diz Aneel, que defende privatização

Segundo Romeu Rufino, a licitação das distribuidoras é a alternativa que melhor atende ao interesse público

Reuters

20 Abril 2018 | 18h49

As seis distribuidoras de eletricidade da estatal Eletrobrás que operam no Norte e Nordeste e que estão em vias de serem privatizadas se tornaram “inviáveis”. Essa é a posição do diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino. A venda das empresas em um leilão, já em preparação pela companhia, seria a melhor saída, segundo ele.

+ Indicações políticas na Eletrobrás travam privatização no Congresso

Rufino realizou uma análise sobre as empresas em correspondência enviada ao deputado federal Julio Lopes (PP-RJ), relator no Congresso da medida provisória 814/17, que trata da desestatização das elétricas, que atuam em Acre, Alagoas, Amazonas, Roraima, Rondônia e Piauí e são fortemente deficitárias.

“A ineficiência tornou as concessões insustentáveis... A licitação é a alternativa que melhor atende ao interesse público”, afirmou Rufino no documento ao parlamentar, obtido pela Reuters.

+ Temer assina decreto para início de estudos sobre capitalização da Eletrobrás

Ele argumentou que as distribuidoras da Eletrobras estão “entre os piores desempenhos entre todas as concessionárias de distribuição” em termos de perdas de energia por furtos, fraudes ou erros operacionais e “vêm prestando serviços abaixo da qualidade definida” pelas metas estabelecidas pela agência.

“Além disso, sob o ponto de vista de sustentabilidade do negócio de distribuição, os prejuízos causados pela ineficiência operacional e elevados patamares de perdas tornaram a continuidade da prestação do serviço inviável”, adicionou.

+ Venda de subsidiárias da Eletrobrás deve ser adiada para junho

A venda das distribuidoras chegou a ser prevista para o final do ano passado, mas o processo enfrentou diversos adiamentos. O Tribunal de Contas da União (TCU) agora analisa a licitação, e a expectativa atual é de que ela ocorra em junho.

Em paralelo, o governo tem proposto levar adiante também a privatização da Eletrobras como um todo, que aconteceria até o final do ano.

+ Quem não quer a Eletrobrás privatizada

Rufino defendeu, no entanto, que essas são “agendas distintas e independentes”.

Autoridades têm dito que as distribuidoras da Eletrobras poderão ser liquidadas caso o governo não consiga privatizá-las, mas essa alternativa poderia aumentar riscos para os consumidores, segundo o diretor da Aneel.

+ Distribuidoras que Eletrobrás quer vender consumiram R$ 3,7 bilhões em dois anos

Nesse processo, a agência reguladora faria um leilão para definir novos operadores para as concessões que antes pertenciam à estatal, mas a Eletrobras precisaria desmobilizar totalmente suas empresas, que ficariam então sem atividade. A estatal enfrentaria assim custos como eventuais demissões e pagamento de fornecedores.

+ Aliados criticam falta de mobilização do governo para privatização da Eletrobrás

“Não concluir o processo de licitação... implicaria em liquidar a empresa para licitar somente a concessão, o que pode tomar tempo ainda maior, com risco de judicialização e permanência do precário regime de designação”, apontou Rufino.

Regime precário. A Eletrobrás decidiu ainda em meados de 2016 que não renovaria os contratos de concessão de suas distribuidoras, que desde então têm operado em um regime precário, chamado de “designação”.

Nesse período, os custos de operação das empresas têm sido cobertos com recursos emprestados por um fundo do setor elétrico, a Reserva Global de Reversão (RGR), o que já consumiu 3,75 bilhões de reais até fevereiro.

+ Eletrobrás está envolvida em dois processos na Operação Lava Jato

Rufino defendeu que os parlamentares aproveitem emendas à MP 814 para limitar esses empréstimos emergenciais apenas até o final de 2018, o que segundo ele geraria uma maior pressão sobre a Eletrobrás e o governo para que levem adiante a privatização.

Por outro lado, o diretor-geral da Aneel posicionou-se “de maneira contrária a todas as emendas que buscam impedir ou inviabilizar o processo de licitação” das empresas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.