Distribuidoras do Sul foram excluídas do acordo com a GCE

As distribuidoras de energia elétrica do Sul do País não foram incluídas no acordo fechado entre as empresas do setor e a Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (GCE) em que foram definidas compensações financeiras para as perdas de receita provocadas pelo racionamento.Embora tenham reduzido voluntariamente a distribuição de energia em 7% durante todo o período de racionamento, as distribuidoras do Sul não terão direito aos reajustes tarifários extraordinários e a financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estendidos às empresas do Sudeste/Centro-Oeste e do Nordeste."O governo entendeu que, pelo fato de não ter sido publicado um decreto estabelecendo o racionamento de energia na região, não seria o caso de estender as compensações financeiras para as companhias do Sul", disse o presidente da Rio Grande Energia (RGE), Sidney Simonaggio."Teríamos direito a esse ressarcimento porque a redução do consumo de 7% operada aqui somente foi alcançada porque as empresas fizeram campanhas, induzindo à economia". Segundo Simonaggio, ainda não há uma posição fechada entre as empresas sobre eventuais medidas a serem adotadas em relação ao assunto.Estiagem atinge Região SulEnquanto as chuvas abundantes continuam a impulsionar um surpreendente aumento do nível dos reservatórios das hidrelétricas no Sudeste e Centro-Oeste do País, os reservatórios da região sul começam a enfrentar os efeitos da estiagem característica desta época do ano.De acordo com informações da Gerasul, desde o último dia 4 a empresa opera a plena capacidade as suas usinas termelétricas com o objetivo de compensar uma redução dos níveis dos reservatórios, atendendo ao comando do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).A produção de energia térmica da empresa subiu de 340 megawatts (MW) médios para 850 MW. Além disso, a Gerasul passou a importar 300 MW de energia da Argentina com o mesmo fim.Sob uma estiagem que já completa 50 dias em alguns pontos do Sul, os reservatórios da região apresentaram uma redução, entre o início de dezembro e o começo de janeiro, de cerca de 4,5 pontos porcentuais, de acordo com dados do ONS.O nível médio de enchimento, que era de cerca de 87% em 30 de novembro passado, caiu para 82,6% em 1º de janeiro e tem permanecido em torno deste patamar. Apesar do nível do enchimento ser bastante superior ao observado no Sudeste/Centro-Oeste, que na terça-feira estavam em 36,3%, as usinas do Sul têm pequena capacidade de armazenamento de água.Redução voluntária de consumoAlém da seca, desde o final de novembro está suspensa uma redução voluntária de consumo de 7% na região e começa a ocorrer um relaxamento da economia sobretudo nas residências, segundo o presidente da Rio Grande Energia (RGE), Sidney Simonaggio. O quadro não assusta, contudo, às empresas.Segundo fontes da Gerasul, a empresa já estava preparada para enfrentar o período de estiagem típico desta época do ano. "A estiagem neste ano está ocorrendo normalmente, ao contrário do ano passado, quando choveu três vezes o volume normal", lembrou Simonaggio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.