Iano Andrade / Portal Brasil
Iano Andrade / Portal Brasil

Distribuidoras estão autorizadas a dividir bases e equipamentos

Medida, que vale por 15 dias e partiu do Conselho Administrativo de Defesa Econômica, faz parte de um ‘protocolo de crise de desabastecimento’

Lorenna Rodrigues e Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

29 Maio 2018 | 17h39

BRASÍLIA - Com os motoristas ainda amargando horas de fila para abastecer, o governo autorizou nesta terça-feira, 29, as distribuidoras Petrobrás, Ipiranga e Raízen a compartilharem bases de abastecimento e equipamentos logísticos por um período de 15 dias.

+ Infográfico: Entenda como a greve afetou o Brasil

+ Cade apresenta nove propostas para reduzir preços dos combustíveis

Será possível, por exemplo, que um caminhão tanque da Petrobrás seja abastecido em uma base da Raízen. Na outra ponta, esse mesmo caminhão poderia abastecer um posto de combustível da Ipiranga.

A autorização da medida, que faz parte de um “protocolo de crise de desabastecimento” apresentado pelas distribuidoras, partiu do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Num cenário de normalidade, esse compartilhamento poderia ser considerado uma medida contra a concorrência. “Neste momento, o mais importante é estancar a crise”, disse o presidente da autarquia, Alexandre Barreto. “Trata-se de uma medida célere e emergencial.”

+ Secretário de Mobilidade e Transporte de SP diz que estoque de combustível está no limite

No médio prazo, o governo trabalha numa proposta para reduzir a oscilação do preço dos combustíveis, segundo informou na terça-feira o ministro de Minas e Energia, Wellington Moreira Franco. “É indispensável usar todo nosso aparato técnico para criar um colchão que permita mitigar essa volatilidade e dar segurança ao processo de formação de preço”, afirmou. Ele acrescentou que o governo não adotará nenhuma medida que possa ser entendida como intervenção nos preços da Petrobrás.

Também para o médio prazo, o Cade apresentou na terça-feira nove medidas para aumentar a concorrência no comércio de combustíveis e tentar reduzir o preço. As sugestões incluem mudanças na tributação de combustíveis, permissão que refinarias ou distribuidoras sejam donas de postos de combustíveis, autorização para instalação de postos em hipermercados e criação de postos autosserviço.

Mais conteúdo sobre:
combustível greve caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.