Distribuidoras não pagam dívida de US$ 178 milhões à Itaipu

A inadimplência das distribuidoras de energia elétrica já atingiu a Itaipu Binacional. A empresa, que administra a maior hidrelétrica do País, registrou neste mês calote de US$ 178 milhões - o equivalente a R$ 638,3 milhões. Deste total, US$ 149 milhões deixaram de ser pagos por Furnas, US$ 24 milhões pela Eletrosul e R$ 5 milhões pela Ande, estatal paraguaia.De acordo com a diretora-financeira de Itaipu Binacional, Gleisi Hoffmann, este é o pior quadro de inadimplência registrado pela companhia desde o início dos anos 90 - quando, em meio a uma crise generalizada das estatais do setor elétrico, ninguém pagava ninguém. "Nas conversas que tivemos com Furnas e a Eletrosul, as empresas afirmaram que não pagaram os seus compromissos porque não receberam o pagamento pela energia repassada às distribuidoras", diz Gleisi. "O que me espanta é que as distribuidoras continuam a receber recursos por meio da cobrança de tarifas."O temor da diretora-financeira é de que, a perdurar essa situação por mais dois ou três meses, Itaipu não consiga arcar com o pagamentos de seus compromissos. A empresa deve pagar entre US$ 125 milhões e US$ 135 milhões por mês para o pagamento ao Tesouro e à Eletrobrás, do serviço da dívida referente ao financiamento da construção da hidrelétrica.Além disso, Itaipu desembolsa US$ 32 milhões para o pagamento de royalties e para custeio, entre outras despesas. "Um atraso no pagamento das dívidas com o Tesouro pode, em última instância, adicionar encargos à dívida e provocar a elevação da tarifa da energia de Itaipu no próximo ano", prevê Gleisi.Procurada pela Agência Estado, Furnas não se manifestou sobre o assunto. Fontes da área financeira da Eletrosul informaram que o débito da empresa com Itaipu foi provocado pelo não-pagamento da energia repassada à distribuidora AES Sul, que explora parte do mercado do Rio Grande do Sul. A expectativa da Eletrosul é de que a Eletrobrás, que assumiu o papel de repassar a energia da hidrelétrica, assumirá os créditos da Eletrosul com a AES Sul e os débitos da companhia com Itaipu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.